Política

Europeias. André Ventura “muito contente” com apoio do Patriarcado

634

O cabeça de lista da coligação Basta afirmou ser uma "pessoa muito religiosa" e afirmou que "ter o apoio dos cristãos, dos católicos" para as eleições europeias "é um orgulho enorme".

André Ventura fez esta quinta-feira campanha em Algés, no concelho de Oeiras

NUNO FOX/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O cabeça de lista da coligação Basta, André Ventura, manifestou-se esta quinta-feira “muito contente” pela inclusão daquela formação política no apelo ao voto do Patriarcado de Lisboa nas redes sociais, apesar da “cedência à pressão” da retirada dessa publicação.

“É sabido que sou uma pessoa muito religiosa, até pela minha formação. Fiquei muito contente com isso, de resto, não vou entrar em polémicas se deviam ter feito ou não deviam ter feito”, afirmou André Ventura aos jornalistas, durante uma ação de campanha, em Algés, no concelho de Oeiras.

Em causa está uma mensagem colocada na rede social Facebook por parte do Patriarcado de Lisboa na qual, entre as forças políticas concorrentes às eleições europeias de 26 de maio, eram destacados a coligação Basta, Nós Cidadãos e CDS-PP como aquelas que se opõem à liberalização da eutanásia, da chamada maternidade de substituição, e à descriminalização do aborto.

Para André Ventura, com a posterior retirada da publicação, “houve uma certa cedência à pressão, que é normal nestas alturas eleitorais, em que há muita pressão política”. “Há muita pressão sobre quem é o André Ventura e os valores que representa e a Igreja quis, naturalmente, marcar a posição que tem enquanto Igreja sem se associar a nenhum partido”, afirmou.

De acordo com André Ventura, “os católicos têm hoje a maturidade suficiente para perceber a diferença entre política e religião”.

“Ter o apoio dos cristãos, dos católicos, é um orgulho enorme, é só isso que posso dizer. A Igreja tem vindo cada vez mais, e o papa também o tem feito, a pedir que os cristãos tenham intervenção no espaço público. Não podemos estar sempre a dizer para ter intervenção, mas depois quando chega a épocas eleitorais queremos que as instituições cristãs e católicas estejam em silêncio”, argumentou.

André Ventura e uma comitiva de apoiantes com algumas bandeiras da coligação formada pelo Chega, PPM e PPV-CDC, apanharam na tarde desta quinta-feira o comboio no Cais do Sodré, em Lisboa, saindo em Algés, já no concelho de Oeiras.

Sem abordar os passageiros, muitos eram turistas, o cabeça de lista prosseguiu com um passeio pelas ruas centrais de Algés também sem meter conversa, mesmo quando era reconhecido e associado ao comentário desportivo que exerce num canal de televisão por cabo. “É já no sábado”, respondeu à distância para um grupo de homens concentrado junto à estação, numa referência ao campeonato de futebol.

No jardim do Palácio Anjos, um equipamento da Câmara de Oeiras, onde falou à comunicação social, André Ventura teve atitude semelhante. Abeirando-se de um grupo de homens que jogava às cartas deu as boas-tardes, mas não se deteve em cumprimentos, apesar de ser reconhecido de forma positiva.

A caminho do mercado de Algés, foi saudado por um apoiante, que disse já ter votado em André Ventura quando foi candidato do PSD à Câmara de Loures, numa campanha em que insistiu num discurso relativamente à comunidade cigana, com mensagens como a dependência de subsídios. Também este apoiante era do clube de André Ventura e o candidato comentou uns metros à frente com a comitiva: “Se fosse para a presidência do Benfica era mais fácil”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos
563

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Política

A direita em crise?

Luiz Cabral de Moncada

A perda de terreno eleitoral pela direita só significa que a esquerda assimilou o que aquela de melhor tem, o liberalismo económico e social. Está em crise? Não, já ganhou no terreno das ideias.

Ministério Público

A democratura em roupão e com unhas

José P. Ribeiro de Albuquerque.

Sobre as propostas de alteração apresentadas pelo PS e PSD, em sede de apreciação na especialidade, à proposta do Governo que visa aprovar o novo estatuto do Ministério Público.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)