CP

Sindicato suspende greve na CP marcada para os dias 20 e 21 de maio

A greve que abrangia os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP estava marcada para a próxima segunda e terça-feira. Sindicato anunciou que chegou a acordo com o governo.

Greve estava convocada para a próxima segunda e terça-feira

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante (SFRCI) suspendeu nesta sexta-feira o pré-aviso de greve marcada para segunda e terça-feira depois de o Governo ter acordado “a contratação de trabalhadores operacionais” e outras áreas necessárias da CP.

Em comunicado, o SFRCI adianta que, na sequência de uma reunião com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, “em concertação com o Ministério das Finanças, com vista à manutenção de um processo de diálogo e concertação laboral”, ficou acordado entre as partes “a contratação de trabalhadores operacionais da área comercial e outras áreas necessárias à operação da CP – Comboios de Portugal”, entre outras matérias.

Nesse sentido, o SFRCI “decidiu suspender o pré-aviso de greve em vigor para os dias 20 e 21 de maio, por considerar que estão estabelecidas as condições indispensáveis para a manutenção de uma plataforma de entendimento, que se pretende estável e duradoura”, conclui o sindicato.

A greve abrangia os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP — Comboios de Portugal.

A paralisação nacional tinha sido convocada para protestar contra o “incumprimento de dois acordos que o Governo fez com este sindicato, o primeiro em setembro de 2017, que visava recrutar 88 trabalhadores para a área comercial e que ainda não está concretizado”, disse no final de abril à Lusa o presidente do SFRCI.

A outra promessa que o SFRCI afirma não ter sido concretizada é “a negociação do acordo coletivo de trabalho, que tem 20 anos, e que deveria ter sido finalizado até 30 de setembro”.

Hoje, também em comunicado, o Governo tinha anunciado que “está a analisar e desenvolver um conjunto de medidas” para responder às necessidades operacionais e de pessoal da CP, reafirmando a “prioridade na ferrovia” como forma de promover a mobilidade.

Os ministérios das Finanças e das Infraestruturas e da Habitação, em comunicado conjunto, afirmaramm que o Governo reconhece “a importância da ferrovia enquanto instrumento imprescindível de mobilidade” e está “a analisar e desenvolver um conjunto de medidas com vista a corresponder às necessidades — operacionais e de recursos humanos — do transporte ferroviário CP”.

A prestação do serviço ferroviário “ficará assente num contrato de obrigações de serviço público que, ainda em 2019, consagre um serviço de qualidade e seguro assente, entre outros aspetos, na existência de uma tripulação mínima de dois agentes nos comboios de transporte de passageiros (um maquinista e um agente de acompanhamento com as qualificações profissionais necessárias para as funções)”, segundo o Executivo.

O Governo adiantou que “este compromisso com a qualidade do serviço público será reforçado através da estabilização dos recursos humanos necessários à atividade, nomeadamente com a autorização imediata da contratação de trabalhadores da área comercial e de outras áreas necessárias à operação da CP até ao final do mês de junho, que permita reduzir o número de horas suplementares hoje realizadas, acomodar as saídas definitivas de trabalhadores e promover a segurança e a qualidade do trabalho”.

Em paralelo com este processo, “iniciou-se já no passado mês de abril um processo negocial com vista à celebração de um novo acordo de empresa e regulamento de carreiras que traga melhores condições aos trabalhadores desta empresa”, referiram os ministérios, o comunicado.

“O Governo reafirma, assim, a prioridade na ferrovia como ator fundamental na promoção da mobilidade da nossa população”, adiantaram.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)