Rádio Observador

Espanha

Deputados catalães presos tomam posse no Congresso espanhol

Puderam sair da prisão o tempo suficiente para a tomada de posse. Arriscam-se agora a ser suspensos de funções, precisamente por estarem em prisão preventiva.

Os três deputados do partido Juntos pela Catalunha que se encontram em prisão preventiva tomaram posse esta terça-feira. A partir da esquerda: Josep Rull, Jordi Turull e Jordi Sanchez

PABLO BLAZQUEZ/AFP/Getty Images

Quem visse os quatro deputados independentistas catalães escoltados pela polícia, podia acreditar que se tratava de um dia de julgamento e que estariam a ser acompanhados ao tribunal. Mas não foi o caso. Os quatro deputados eleitos para o Congresso dos Deputados espanhol tiveram autorização para estar presentes, nesta terça-feira, na tomada de posse. Agora está a ser discutida a sua suspensão dessas funções, como noticia o jornal El País.

Uns meros 67 minutos bastaram para que Oriol Junqueras, do partido ERC (Esquerda Republicana Catalã), e Jordi Sànchez, Josep Rull e Jordi Turull, do partido JuntsxCat (Juntos pela Catalunha), cumprissem o que tinham a fazer no Congresso: ou seja, entregar a declaração de património, porque os valores (iPad, iPhone e cartão de crédito para o táxi), nem sequer lhes foram atribuídos. Os independentistas estão em prisão preventiva há ano e meio e enfrentam um processo em tribunal por rebelião e má gestão de fundos públicos (por terem realizado o referendo à independência e a terem declarado unilateralmente). Também não podem levar para a prisão as carteiras de deputado que receberam.

A pedido dos deputados catalães em prisão preventiva, o Supremo Tribunal determinou que podiam estar presentes na tomada de posse, mas decidiu também que seria a Mesa do Congresso (equivalente à Presidência da Assembleia da República) a decidir se as funções seriam suspensas ou não — para não haver interferência entre o poder judicial e político. Essa será agora uma das primeiras decisões da Mesa do Congresso que reúne na tarde desta terça-feira, noticia o jornal El País. Mas o mais provável é que, antes disso, a Mesa peça aos juristas do Congresso para fazerem uma análise das questões legais relacionadas com este processo. Um parecer que será praticamente vinculativo.

Albert Rivera e Pablo Casado defendem que a suspensão deveria ser automática. Aliás, Casado afirma mesmo que o Supremo Tribunal ter autorizado a presença dos detidos é “um golpe contra a democracia”, noticia o jornal El Confidencial. Mas a Mesa do Congresso pode escudar-se no parecer jurídico para não ter de tomar uma decisão por si e criar conflitos políticos. O jornal El Confidencial afirma, no entanto, que existem poucas dúvidas que um político preso não pode ser deputado.

E não vale a pena aos deputados em prisão preventiva pensarem em imunidade parlamentar, porque o processo já estava a decorrer e eles só tomaram posse depois disso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)