“Sharks, uma missão de Brian Skerry” é uma viagem ao mundo dos tubarões através de 50 fotografias da autoria de Brian Skerry, um dos mais famosos fotógrafos subaquáticos do mundo, colaborador da revista National Geographic desde 1998.

Todos os anos, cerca de 100 milhões de tubarões são capturados, de forma acidental ou para comercialização das suas barbatanas, fazendo com que muitas espécies estejam quase em extinção, alterando de forma dramática a biodiversidade marinha. Estes predadores são essenciais para as cadeias tróficas oceânicas e para o equilíbrio dos ecossistemas marinhos, contudo, estão em permanente risco de sobrevivência”, lê-se na nota de imprensa. Este cenário inspirou Brian Skerry a fotografar diversas espécies de tubarões e a sensibilizar o público para o perigo da sua extinção.

A paixão de Skerry pelo animal foi imediata. Tudo começou há 30 anos quando encontrou um tubarão azul em plena costa de Rhode Island, nos EUA. O fotojornalista recorda o momento dizendo que ficou “encantado com a sua pele azul” e acrescenta que todos os seus sentidos “ficaram em alerta”. “O meu coração acelerou à medida que me aproximei até cerca de um metro de distância. O tubarão mal reparou na minha presença e desapareceu.” Atualmente Brian mergulha oito meses por ano, somando mais de 10 mil horas debaixo de água e 14 viagens à volta do mundo.

Depois de passar por Washington, Atlanta, Corpus Christi, Fullerton, Berkely e Lisboa, as suas fotografias a tubarões vão estar expostas na Galeria da Biodiversidade da Universidade do Porto, de 24 de maio a 31 de dezembro. Uma das novidades da mostra no Porto é a “Shark Cage”, uma instalação imersiva na qual os visitantes podem experimentar a sensação de estar no fundo do mar e nadar com tubarões.

A exposição pode ser vista de terça-feira a domingo, das 10h às 18h, os bilhetes variam entre os 2,50€ e os 14€ e já se encontram à venda.