Rádio Observador

Taça de Portugal

“A equipa é inacreditável. O caráter e o espírito foram incríveis”: as reacções dos protagonistas na final da Taça de Portugal

281

Depois de Luiz Phellype ter concretizado o penálti que entregou a Taça de Portugal ao Sporting, o foco virou para os protagonistas. Veja tudo o que os protagonistas disseram.

O Sporting festejou a 17.ª Taça de Portugal da história. Foto: AFP/Getty Images

PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images

Autor
  • João Filipe Cruz

O Sporting venceu o FC Porto no Jamor e acrescentou a 17.ª Taça de Portugal ao palmarés. Depois de um empate a dois golos nos 120 minutos, os leões levaram a melhor na marcação das grandes penalidades com Renan a defender o último penálti dos dragões e Luiz Phellype a concretizar a última dos leões e entregar o troféu aos verde e brancos. Depois da conquista, os holofotes viraram-se para os protagonistas.

O treinador do Sporting, Marcel Keizer, não conteve a alegria com a conquista e dedicou a maior parte do discurso aos jogadores leoninos. “A equipa é inacreditável. O caráter e o espírito foram incríveis. Todo os crédito para os jogadores“, atirou o holandês. Para Keizer, “nem sempre é bom ser treinador”, mas são estes momentos que fazem com que valha a pena. O holandês acaba por não ficar indiferente à festa da Taça naquele que é o primeiro ano em Portugal. “Agora tenho uma pequena ideia [do que é a Taça de Portugal no Jamor]”, rematou.

A taça foi levantada pelo capitão leonino, Bruno Fernandes e a primeira pergunta recaiu sobre a eventual saída do clube. “Não sei… As perguntas são sempre as mesmas. Não há contactos com nenhum clube. Com certeza que há clubes interessados, mas estou no Sporting“, disse. O camisola 8 garantiu que a final perdida contra o Aves e tudo o que a antecedeu está esquecido e dedicou a vitória aos adeptos. Tentei ao máximo conquistar a confiança deles. Foi sangue, suor e lágrimas para eles. Este clube merece tudo. Os adeptos merecem tudo”, rematou o capitão do Sporting.

Outro dos capitães, Sebastián Coates, reconheceu que “faltou o campeonato”, mas destaca as conquistas da Taça de Portugal e da Taça da Liga. O central admitiu que a vitória foi especial, depois do que aconteceu em 2018. “O problema é quando nos dão por mortos. Este grupo demonstrou a rebeldia que tem”, finalizou.

As referência ao ano passado não se esgotaram em Bruno Fernandes ou Coates. Também o extremo Raphinha recuperou o ataque à Academia e a derrota frente ao Desportivo das Aves: “esta vitória é para todos aqueles que estiveram connosco no ano passado“. O brasileiro também lançou farpas aos críticos, que “desacreditaram” a equipa, no início da época. “Fomos muito desacreditados no inicio da época. Os resultados acontecem dentro do campo e este é para calar os críticos”, atirou.

Renan, que defendeu o penálti de Fernando Andrade e abriu caminho para a conquista, começou por recordar o momento em que ingressou no Sporting. O guarda-redes brasileiro relembra que foi para Alvalade “para conquistar títulos” e, para já, conta com dois, depois de somar a Taça de Portugal à Taça da Liga. Uma das pessoas na lista de agradecimentos do guardião foi o treinador de guarda-redes, Nelson Pereira. “O Nelson dá-me confiança e faz-me evoluir. É muito chato, mas que continue a ser chato”, disse Renan.

Quem acabou por decidir foi Luiz Phellype e, no final, o avançado admitiu que o início da caminhada em Alvalade foi “muito difícil”. O brasileiro adiantou que foi o ano “mais incrível” da carreira e destacou o espírito “guerreiro” dos leões. “Estivemos a perder mas não virámos a cara e nunca desistimos. É até ao fim”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)