Sporting

Polícia e bombeiros obrigados a intervir na parte final da festa do Sporting em Alvalade

615

Autocarro teve de fazer um compasso de espera no Jamor, chegou em pouco mais de 20 minutos ao estádio, jogadores foram saudados um a um mas festa acabou da pior forma na zona do topo sul de Alvalade.

João Silva

A comemoração de um título nunca tem propriamente horas definidas a não ser nas cerimónias solenes e o Sporting não fugiu a essa regra no final da Taça de Portugal: depois de todos os jogadores terem ficado largos minutos no relvado do Jamor após terem recebido o troféu, com famílias e amigos, a ideia passava por acelerar a saída do Estádio Nacional rumo a Alvalade mas o habitual controlo anti-doping acabou neste caso por atrasar tudo, com Diaby a travar a partida do autocarro enquanto algumas dezenas de adeptos (e motas, com ou sem câmaras televisivas) ainda esperavam a equipa para uma última saudação.

Fosse pelo público, pelas portas disponibilizadas de acesso ou até pelo próprio palco, a festa teve muitos traços parecidos com a da última conquista da Taça de Portugal, em 2015, frente ao Sp. Braga, com os jogadores a serem chamados ao palco que estava instalado no centro do relvado um a um por ordem numérica até à entrada final do capitão, neste caso Bruno Fernandes, com o troféu. Ainda assim, houve duas nuances: a chamada de elementos mais “invisíveis” da estrutura técnica, como os analistas de dados ou os motoristas, e a “não chamada” do presidente ou de qualquer dirigente do clube ou do futebol.

Tudo corria dentro da maior normalidade quando, na altura em que Marcel Keizer começava a deixar ao microfone algumas palavras de agradecimento aos adeptos, os focos de atenção passaram para o topo sul de Alvalade: a polícia recorreu ao bastão para evitar uma invasão (pacífica) de campo por uma das passagens por cima do fosso atrás das balizas, alguns adeptos responderam com o arremesso de cadeiras e foi necessária a chamada do corpo de intervenção para acalmar os ânimos naquela zona do estádio, criando-se uma clareira sem adeptos nesse local depois desse último momento.

Pouco depois, quando era Bruno Fernandes que estava já com o microfone, também no topo sul mas um pouco ao lado, acabou por haver um pequeno incêndio rapidamente apagado pelos bombeiros que se encontravam na zona do relvado mas que, ainda assim, tiveram de evitar uma cadeira que foi arremessada na sua direção. No final de toda esta confusão, houve uma maca que se dirigiu ao local pela parte lateral do relvado e retirou uma adepta que terá ficado ferida.

Nas palavras de circunstância que técnico e capitão tinham deixado entretanto, Keizer voltou a desfazer-se em elogios aos seus jogadores e ao apoio dos adeptos à equipa, terminando em português com um “Obrigado, parabéns!”, ao passo que Bruno Fernandes voltou a falar na ambição de atingir patamares mais altos de conquistas. “Como todos sabem, este ano foi muito difícil para nós e para vocês. Conseguimos duas taças mas isto não vos satisfaz. Vocês querem mais e nós também queremos mais. Há que continuar nesta linha, cada vez mais unidos, jogadores e adeptos. Só com esta união e apoio vamos conseguir. Não vos peço mais do que têm feito, peço-vos igual e nós vamos tentar fazer melhor”, destacou.

Pouco depois, acabava a festa e os jogadores começaram a sair nas suas viaturas, com dezenas de adeptos na zona de acesso ao parque para mais uma mini festa naquele local. Também aqui, houve essa diferença em relação a 2015, altura em que os adeptos acabaram por fazer uma invasão pacífica no relvado na parte final das comemorações após o triunfo na Taça de Portugal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)