Rádio Observador

Sporting

Polícia e bombeiros obrigados a intervir na parte final da festa do Sporting em Alvalade

615

Autocarro teve de fazer um compasso de espera no Jamor, chegou em pouco mais de 20 minutos ao estádio, jogadores foram saudados um a um mas festa acabou da pior forma na zona do topo sul de Alvalade.

João Silva

A comemoração de um título nunca tem propriamente horas definidas a não ser nas cerimónias solenes e o Sporting não fugiu a essa regra no final da Taça de Portugal: depois de todos os jogadores terem ficado largos minutos no relvado do Jamor após terem recebido o troféu, com famílias e amigos, a ideia passava por acelerar a saída do Estádio Nacional rumo a Alvalade mas o habitual controlo anti-doping acabou neste caso por atrasar tudo, com Diaby a travar a partida do autocarro enquanto algumas dezenas de adeptos (e motas, com ou sem câmaras televisivas) ainda esperavam a equipa para uma última saudação.

Fosse pelo público, pelas portas disponibilizadas de acesso ou até pelo próprio palco, a festa teve muitos traços parecidos com a da última conquista da Taça de Portugal, em 2015, frente ao Sp. Braga, com os jogadores a serem chamados ao palco que estava instalado no centro do relvado um a um por ordem numérica até à entrada final do capitão, neste caso Bruno Fernandes, com o troféu. Ainda assim, houve duas nuances: a chamada de elementos mais “invisíveis” da estrutura técnica, como os analistas de dados ou os motoristas, e a “não chamada” do presidente ou de qualquer dirigente do clube ou do futebol.

Tudo corria dentro da maior normalidade quando, na altura em que Marcel Keizer começava a deixar ao microfone algumas palavras de agradecimento aos adeptos, os focos de atenção passaram para o topo sul de Alvalade: a polícia recorreu ao bastão para evitar uma invasão (pacífica) de campo por uma das passagens por cima do fosso atrás das balizas, alguns adeptos responderam com o arremesso de cadeiras e foi necessária a chamada do corpo de intervenção para acalmar os ânimos naquela zona do estádio, criando-se uma clareira sem adeptos nesse local depois desse último momento.

Pouco depois, quando era Bruno Fernandes que estava já com o microfone, também no topo sul mas um pouco ao lado, acabou por haver um pequeno incêndio rapidamente apagado pelos bombeiros que se encontravam na zona do relvado mas que, ainda assim, tiveram de evitar uma cadeira que foi arremessada na sua direção. No final de toda esta confusão, houve uma maca que se dirigiu ao local pela parte lateral do relvado e retirou uma adepta que terá ficado ferida.

Nas palavras de circunstância que técnico e capitão tinham deixado entretanto, Keizer voltou a desfazer-se em elogios aos seus jogadores e ao apoio dos adeptos à equipa, terminando em português com um “Obrigado, parabéns!”, ao passo que Bruno Fernandes voltou a falar na ambição de atingir patamares mais altos de conquistas. “Como todos sabem, este ano foi muito difícil para nós e para vocês. Conseguimos duas taças mas isto não vos satisfaz. Vocês querem mais e nós também queremos mais. Há que continuar nesta linha, cada vez mais unidos, jogadores e adeptos. Só com esta união e apoio vamos conseguir. Não vos peço mais do que têm feito, peço-vos igual e nós vamos tentar fazer melhor”, destacou.

Pouco depois, acabava a festa e os jogadores começaram a sair nas suas viaturas, com dezenas de adeptos na zona de acesso ao parque para mais uma mini festa naquele local. Também aqui, houve essa diferença em relação a 2015, altura em que os adeptos acabaram por fazer uma invasão pacífica no relvado na parte final das comemorações após o triunfo na Taça de Portugal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)