Rádio Observador

Caso Lava Jato

PGR denuncia ex-Presidente brasileiro Collor de Mello em processo da Lava Jato

Atualmente senador que pediu suspensão do mandato por quatro meses, é acusado de atuar para que uma das subsidiárias da Petrobras firmasse contratos com a Laginha Agro Industrial.

Cadu Gomes/EPA

A Procuradoria-Geral da República (PGR) do Brasil enviou esta quarta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma denúncia contra o ex-Presidente brasileiro Fernando Collor de Mello, acusado de cometer o crime de peculato num dos processos da Operação Lava Jato.

Collor, atualmente senador que pediu suspensão do mandato por quatro meses, é acusado de atuar para que a empresa BR Distribuidora, uma das subsidiárias da estatal petrolífera Petrobras, firmasse contratos com a Laginha Agro Industrial, empresa liderada por João Lyra, com quem o antigo chefe de Estado mantinha relações políticas.

Segundo um comunicado divulgado pela PGR, “as investigações revelaram que o crime foi praticado em 2010, ano em que Collor e Lyra eram filiados ao Partido Democrático Trabalhista (PDT) e disputaram os cargos de governador e deputado federal, respetivamente”.

De acordo com a denúncia, em junho de 2010, João Lyra pediu ajuda a Collor de Mello, que agendou e acompanhou o empresário numa reunião na sede da estatal BR Distribuidora, no Rio de Janeiro.

Na oportunidade, os dois relataram as dificuldades financeiras enfrentadas pela Laginha Agro Industrial devido a inundações que teriam atingido o Estado de Alagoas e apresentaram uma proposta pedindo à BR Distribuidora que comprasse a safra futura de álcool da empresa no valor de mil milhões de reais (230 milhões de euros).

A PGR destacou a existência de provas de que este e outros contratos foram assinados em tempo recorde e renderam a João Lyra o montante de 240 milhões de reais (54,2 milhões de euros) em vantagens obtidas graças à interferência do ex-Presidente junto da BR Distribuidora.

A PGR menciona também o depoimento de um ex-coordenador de aquisição de álcool da BR Distribuidora para as regiões norte e nordeste, segundo o qual, após a reunião com o ex-Presidente e senador brasileiro José Zônis, diretor de operações logísticas da BR Distribuidora, pediu aos seus subordinados a rápida elaboração e a assinatura de contratos com a Laginha Agro Industrial.

“Os contratos permitiram que o empresário utilizasse os chamados recebíveis [dinheiro a receber] como garantia para a abertura de crédito junto de instituições financeiras e à própria BR Distribuidora. Também garantiram o fornecimento de diesel e lubrificantes à empresa, naquele momento, em situação de falência”, destaca a PGR.

A BR Distribuidora ignorou, igualmente, uma recomendação jurídica para exigir garantias mais sólidas antes de estabelecer contratos com a empresa de João Lyra.

“Pelas circunstâncias em que foram celebrados e executados, conclui-se que os negócios jurídicos firmados, e de alto risco para a BR Distribuidora, eram, na verdade, [uma] espécie de instrumento para a apropriação e o desvio de recursos em proveito da Laginha Agro Industrial e de seu proprietário João Lyra, graças à participação delituosa do senador da República Fernando Collor de Mello”, conclui a PGR.

Lava Jato é a designação dada à vasta operação que investigou desvios milionários que ocorreram durante quase uma década na empresa estatal Petrobras e outros órgãos públicos brasileiros, e que levou à prisão de empresários e políticos, entre eles o ex-Presidente brasileiro Lula da Silva (2003-2011).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)