Os sete detidos esta terça-feira pela Polícia Judiciária (PJ) numa operação que resultou na apreensão de uma tonelada de cocaína transportada numa embarcação de pesca, ficaram em prisão preventiva, disse à Lusa fonte judicial.

Os alegados traficantes, com idades entre os 36 e os 64 anos, foram detidos numa ação conjunta da Polícia Judiciária, Marinha e Força Aérea portuguesas e da Polícia Federal do Brasil.

A cocaína, que tinha um peso de uma tonelada, foi apreendida numa embarcação de pesca no oceano Atlântico no âmbito de uma operação da Polícia Judiciária em colaboração com a Marinha, a Força Aérea e a Polícia Federal do Brasil.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, a PJ referia que através da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes desenvolveu, nos últimos dias, uma complexa operação de combate ao tráfico transnacional de estupefacientes por via marítima.

Em comunicado, a PJ adianta que através da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes desenvolveu, nos últimos dias, uma complexa operação de combate ao tráfico transnacional de estupefacientes por via marítima, que levou ainda à detenção de sete pessoas.

Durante a Operação “Areia Branca”, as autoridades localizaram e intercetaram “em pleno Oceano Atlântico uma embarcação de pesca de pavilhão brasileiro relativamente à qual se suspeitava estar a ser utilizada no transporte de elevada quantidade de cocaína com destino final ao continente europeu”.

A embarcação foi conduzida à Base Naval de Lisboa, onde foi alvo de busca por parte da PJ tendo sido encontrados no interior, em compartimento de difícil acesso especialmente criado para o efeito, um total de 1.102 quilos (mil cento e dois quilogramas) de cocaína acondicionados em cinquenta sacos de serapilheira.

A investigação em curso, que tem o apoio do MAOC-N, da Drugs Enforcement Administration dos Estados Unidos e da National Crime Agency do Reino Unido, iniciou-se na sequência de troca de informações com a Polícia Federal do Brasil.