O fornecimento de eletricidade foi reposto na maior parte da argentina, depois de um apagão que deixou milhões de pessoas às escuras, avançou a agência estatal de notícias. A Telam disse, no domingo, que tinha sido restaurada a energia em 90% do país da América do Sul, bem como à maioria dos três milhões de habitantes do Uruguai.

O Governo argentino, citado pelos jornais La Nacion e Clarín, informou que a falha de eletricidade na Argentina e no Uruguai foi um “colapso”. O serviço elétrico foi interrompido às 7h07 locais (11h07 em Lisboa).

O Presidente argentino, Mauricio Macri, qualificou a falha na rede elétrica no país “sem precedentes”.

Apagão teve origem nas centrais de Yacyretá e Salto Grande, no litoral argentino

O apagão elétrico que este domingo afetou a Argentina e países vizinhos teve origem numa conexão de transporte de eletricidade na costa leste do país, entre as hidroelétricas de Yacyretá, sob gestão argentino-paraguaia, e de Salto Grande (argentino-uruguaia).

“Isso ativou as proteções de emergência das centrais elétricas, que saíram de operação e produziram o apagão”, informou a empresa Edesur, responsável pela rede elétrica de parte de Buenos Aires e pelas áreas sul e sudoeste da cintura urbana.

O corte, registado cerca das 7h06 locais (11h06 de Lisboa), afetou a Argentina, o Uruguai, o Paraguai e o Brasil.

“O fracasso na rede que levou ao apagão a nível nacional teve origem numa conexão de transporte de eletricidade entre as centrais de Yacyretá e Salto Grande, no litoral argentino”, especificou a Edesur.

A primeira dessas barragens, localizada no curso do Rio Paraná, é administrada pela Argentina e pelo Paraguai, e a segunda, no curso médio do Rio Uruguai, está localizada a montante das cidades de Concórdia (Argentina) e Salto (Uruguai) e é operada pelos dois últimos países.

Segundo o Ministério da Energia argentino, o apagão ocorreu após o colapso do Sistema Argentino de Interconexão (SADI), que produziu um “corte massivo de energia em todo o país”.

Oito horas depois do início da falha de energia, ainda havia partes do país às escuras

O incidente ocorreu no Dia do Pai na Argentina e quando decorrem eleições regionais nas províncias de Santa Fé, San Luis, Formosa e Tierra de Fuego. O país está também a ser afetado por fortes chuvas desde o início de sábado.

Para lá da Argentina e do Uruguai, que juntos têm cerca de 48 milhões de habitantes, os jornais argentinos davam conta que foram afetadas partes do Paraguai, do Chile e do Brasil. Neste caso, no entanto, o Operador Nacional do Sistema Elétrico brasileiro, citado pelo jornal Folha de São Paulo, já garantiu que “não teve reflexos” no país.

O El País conta que, entre outras dificuldades, a falha de eletricidade deixou centenas de milhares de pessoas sem abastecimento de água. A Aysa — empresa pública que distribui água em Buenos Aires e em 26 distritos da periferia da capital argentina (onde vivem 14 milhões de pessoas) — avisou que o sistema de bombeamento está sem energia. Pediu, por isso, aos clientes que “façam um uso racional” da água disponível.

Foi a companhia elétrica argentina Edesur que revelou no twitter ao final da manhã de domingo a existência de “uma falha enorme no sistema de interconexão elétrica” que “deixou toda a Argentina e o Uruguai sem eletricidade”.

A salvo deste apagão está a Terra do Fogo, na Patagónia, porque não está ligada ao sistema elétrico nacional, de acordo com a Todo Noticias. A estação de televisão argentina faz reportagem no arquipélago, em dia de eleições locais, referindo que tudo decorre com normalidade.

Maior apagão na Argentina foi há 20 anos e durou 11 dias

Decorria o verão de 1999 e, durante 11 dias, cerca de 600 mil argentinos ficaram sem energia elétrica. A energia falhou a 15 de fevereiro e só foi reposta 11 dias depois, a 25 de fevereiro. A origem? Um incêndio numa estação geradora de eletricidade. A Edesur já era a empresa responsável pela rede de energia no país e, ao que tudo indica, depois da primeira falha a solução encontrada para resolver o problema não foi a melhor e deu origem a uma falha maior.

Também em novembro de 2002 a Argentina viveu um apagão, embora de menor duração, que afetou a região de Buenos Aires e oito outras províncias.

Artigo atualizado segunda-feira às 7h15.