Rádio Observador

Eletricidade

Eletricidade restaurada em 90% da Argentina. Falha teve origem no litoral argentino

104

90% da Argentina já tem eletricidade, bem como a maioria dos habitantes do Uruguai. Buenos Aires tem problemas no abastecimento de água. Terra do Fogo, na Patagónia, escapa ao apagão.

O apagão no centro de Buenos Aires

Franco Trovato Fuoco/EPA

O fornecimento de eletricidade foi reposto na maior parte da argentina, depois de um apagão que deixou milhões de pessoas às escuras, avançou a agência estatal de notícias. A Telam disse, no domingo, que tinha sido restaurada a energia em 90% do país da América do Sul, bem como à maioria dos três milhões de habitantes do Uruguai.

O Governo argentino, citado pelos jornais La Nacion e Clarín, informou que a falha de eletricidade na Argentina e no Uruguai foi um “colapso”. O serviço elétrico foi interrompido às 7h07 locais (11h07 em Lisboa).

O Presidente argentino, Mauricio Macri, qualificou a falha na rede elétrica no país “sem precedentes”.

Apagão teve origem nas centrais de Yacyretá e Salto Grande, no litoral argentino

O apagão elétrico que este domingo afetou a Argentina e países vizinhos teve origem numa conexão de transporte de eletricidade na costa leste do país, entre as hidroelétricas de Yacyretá, sob gestão argentino-paraguaia, e de Salto Grande (argentino-uruguaia).

“Isso ativou as proteções de emergência das centrais elétricas, que saíram de operação e produziram o apagão”, informou a empresa Edesur, responsável pela rede elétrica de parte de Buenos Aires e pelas áreas sul e sudoeste da cintura urbana.

O corte, registado cerca das 7h06 locais (11h06 de Lisboa), afetou a Argentina, o Uruguai, o Paraguai e o Brasil.

“O fracasso na rede que levou ao apagão a nível nacional teve origem numa conexão de transporte de eletricidade entre as centrais de Yacyretá e Salto Grande, no litoral argentino”, especificou a Edesur.

A primeira dessas barragens, localizada no curso do Rio Paraná, é administrada pela Argentina e pelo Paraguai, e a segunda, no curso médio do Rio Uruguai, está localizada a montante das cidades de Concórdia (Argentina) e Salto (Uruguai) e é operada pelos dois últimos países.

Segundo o Ministério da Energia argentino, o apagão ocorreu após o colapso do Sistema Argentino de Interconexão (SADI), que produziu um “corte massivo de energia em todo o país”.

Oito horas depois do início da falha de energia, ainda havia partes do país às escuras

O incidente ocorreu no Dia do Pai na Argentina e quando decorrem eleições regionais nas províncias de Santa Fé, San Luis, Formosa e Tierra de Fuego. O país está também a ser afetado por fortes chuvas desde o início de sábado.

Para lá da Argentina e do Uruguai, que juntos têm cerca de 48 milhões de habitantes, os jornais argentinos davam conta que foram afetadas partes do Paraguai, do Chile e do Brasil. Neste caso, no entanto, o Operador Nacional do Sistema Elétrico brasileiro, citado pelo jornal Folha de São Paulo, já garantiu que “não teve reflexos” no país.

O El País conta que, entre outras dificuldades, a falha de eletricidade deixou centenas de milhares de pessoas sem abastecimento de água. A Aysa — empresa pública que distribui água em Buenos Aires e em 26 distritos da periferia da capital argentina (onde vivem 14 milhões de pessoas) — avisou que o sistema de bombeamento está sem energia. Pediu, por isso, aos clientes que “façam um uso racional” da água disponível.

Foi a companhia elétrica argentina Edesur que revelou no twitter ao final da manhã de domingo a existência de “uma falha enorme no sistema de interconexão elétrica” que “deixou toda a Argentina e o Uruguai sem eletricidade”.

A salvo deste apagão está a Terra do Fogo, na Patagónia, porque não está ligada ao sistema elétrico nacional, de acordo com a Todo Noticias. A estação de televisão argentina faz reportagem no arquipélago, em dia de eleições locais, referindo que tudo decorre com normalidade.

Maior apagão na Argentina foi há 20 anos e durou 11 dias

Decorria o verão de 1999 e, durante 11 dias, cerca de 600 mil argentinos ficaram sem energia elétrica. A energia falhou a 15 de fevereiro e só foi reposta 11 dias depois, a 25 de fevereiro. A origem? Um incêndio numa estação geradora de eletricidade. A Edesur já era a empresa responsável pela rede de energia no país e, ao que tudo indica, depois da primeira falha a solução encontrada para resolver o problema não foi a melhor e deu origem a uma falha maior.

Também em novembro de 2002 a Argentina viveu um apagão, embora de menor duração, que afetou a região de Buenos Aires e oito outras províncias.

Artigo atualizado segunda-feira às 7h15.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)