Rádio Observador

Crise dos Refugiados

Miguel é português e resgatou milhares de migrantes no Mediterrâneo. Agora arrisca 20 anos de prisão

11.308

Em 2016, Miguel entrou num barco com outros nove voluntários para resgatar migrantes no Mediterrâneo. Em 2018 foi constituído arguido por apoio à imigração ilegal. Pode ficar preso por 20 anos.

Miguel Duarte diz ter salvo 14 mil pessoas nas missões humanitárias em que participou

O governo italiano constituiu arguido um voluntário português que participou no resgate de milhares de migrantes no mar Mediterrâneo. Miguel Duarte trabalha com mais nove pessoas na organização não-governamental (ONG) alemã Jugend Rettet, que, a bordo do navio Iuventa, participou em missões de resgate de migrantes e refugiados no Mediterrâneo. Agora é acusado de auxílio à imigração ilegal. E enfrenta uma pena que pode chegar aos 20 anos de prisão.

A história de Miguel Duarte, aluno de doutoramento em Matemática no Instituto Superior Técnico, está contada na página da PPL, uma comunidade que organiza campanhas de crowdfunding.  Enquanto voluntário daquela ONG, Miguel participou no resgate de 14 mil pessoas. Mas em 2018, no ano em que quase 2.300 pessoas morreram na tentativa de chegar à Europa pelo Mediterrâneo, a Itália acusou-o de apoio à imigração ilegal, tráfico humano e posse de armas de fogo. As duas últimas acusações já caíram. Mas a outra prossegue e pode colocá-lo na prisão.

Segundo o vídeo que Miguel Duarte publicou no YouTube para a campanha conduzida pela Humans Before Borders — uma plataforma portuguesa de apoio aos migrantes –, o estudante envolveu-se em ações solidárias no pico da crise dos refugiados, em 2016: “Já tinha ouvido muitas notícias sobre o sofrimento dos migrantes e refugiados às portas da Europa e sempre tive a sensação que alguma coisa deveria ser feita. Uma pergunta ficava sempre minha cabeça: ‘Porque não eu?’“.

Miguel tinha 24 anos quando decidiu juntar-se a uma tripulação de resgate marítimo no Mediterrâneo central a bordo de um navio de resgate, o Iuventa. “As nossas operações foram interrompidas quando o Iuventa foi arrestado pela polícia italiana. Nove colegas meus e eu próprio fomos constituídos arguidos por suspeita de ajuda à imigração ilegal. Ao longo desse ano, vi passar pelas minhas mãos milhares de homens, mulheres e crianças em completo sofrimento. Basta um dia no mar para nos apercebermos que estas pessoas não vêm por escolha própria”, recorda o jovem natural da Azambuja.

Apesar das acusações que agora sofre, Miguel Duarte afirma que faria tudo novamente — algo que deu o mote à hashtag que tem sido usadas nas redes sociais para escrever sobre a campanha, #EuFariaOMesmo. “Não tenho a mais pequena dúvida que tirar estas pessoas da água é o que está certo. E não tenho a mais pequena dúvida de que qualquer pessoa teria feito o mesmo”, acrescenta.

A campanha de angariação de fundos para Miguel Duarte começou a 7 de junho e já recolheu quase 14 mil euros que o ajudarão a suportar os custos legais do processo — mais quatro mil do que estava inicialmente estipulado. Termina a 12 de julho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)