Rádio Observador

Faro

As algas vermelhas que surgiram no Algarve são ou não prejudiciais à saúde?

630

As praias entre Vilamoura e a Ilha do Farol foram interditadas por causa de uma microalga prejudicial à saúde. Mas a bióloga Alexandra Teodósio diz que é inofensiva e "muito bonita de se ver".

Tomar banho não representa qualquer perigo, mas os bivalves não se podem comer, avisa Alexandra Teodósio

Tiago Duro

Foi no final da passada segunda-feira que soou o alarme: na zona costeira do Algarve que fica entre a Ilha do Farol (Faro) e a Vilamoura (Loulé) o mar tornou-se vermelho com a presença de uma alga e a Autoridade Marítima Nacional, aconselhada pela Agência Portuguesa do Ambiente, decidiu interditar as praias afetadas, já que a tal mancha era tida como “potencialmente perigosa para a saúde pública”. O Observador confirmou esta terça-feira junto da Polícia Marítima de Faro que a interdição ainda se mantém. Contudo, a vice-reitora da Universidade do Algarve, que é bióloga marinha já refutou a ideia de que este fenómeno pode ser prejudicial para a saúde.

Entretanto, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) anunciou na tarde de terça-feira que foi proibida a apanha e a comercialização de moluscos bivalves na sequência da “maré vermelha”. Em comunicado enviado às redações, o instituto explica que a apanha e comercialização de conquilhas entre Lagos e Albufeira e entre Faro e Olhão “já se encontrava interdita por toxinas lipofílicas”. Agora, e “a título preventivo”, o IPMA impede a apanha e venda das restantes espécies bivalves.

O fenómeno já tinha sido identificado no passado domingo, apesar da interdição a banhos só ter surgido na segunda-feira. Por muito que a pesca não tenha sido proibida, a Polícia Marítima de Faro conto ao Observador que não aconselhava nem a pesca nas zonas afetadas nem o consumo de peixe ou marisco capturado nessas mesmas regiões. A culpa de tudo isto, afirmou a Agência Portuguesa do Ambiente após analisar as águas em questão, seria a presença de um organismo prejudicial para a saúde humana. Segundo Lígia Sousa, uma investigadora da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Lisboa, os organismos em questão chamam-se “dinoflagelados”, são “componentes essências do fitoplâncton” , “geralmente vivem isolados mas, em alguns casos, formam colónias” e podem produzir substâncias tóxicas perigosas para os humanos.

Mas esta terça-feira, na TSF , a bióloga marinha e vice-reitora da Universidade do Algarve, Alexandra Teodósio, afirmou não haver qualquer perigo inerente ao contacto com estes micro-organismos. “Esta espécie [os tais dinoflagelados] não é prejudicial aos banhos, a pessoa pode tomar banho na mesma”, assegura. Estes organismos chegam a ter uma componente atrativa, já que por serem “uma espécie bioluminescente” — durante a noite produzem  fluorescência — dão origem a um fenómeno “muito bonito de ver”. “Há sítios, como a Tailândia, onde as pessoas pagam para fazer esta atividade”, acrescentou a especialista.

Apesar de esta espécie “não ser prejudicial aos banhos”, a bióloga refere que no caso dos bivalves da região, a história é diferente: “Estão interditos. Não se pode consumir bivalves nem outros organismos que sejam filtradores.”

Marés vermelhas são “bastante comuns”, diz Capitania de Faro

O Nuno Cortes Lopes é o capitão da Capitania de Faro, a autoridade que operacionalizou as indicações do Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e do Delegado de Saúde local, e explicou ao Observador que a ordem de interdição vai manter-se até receber ordens para a levantar. A cumprir o seu terceiro verão neste cargo, Cortes Lopes explica que este fenómeno “é bastante comum, tem-se verificado nos últimos dois anos em que esteve em funções” mas com a particularidade de nunca ter sido tão intenso e abrangido uma área tão grande.

Na passada segunda-feira, conta, a APA fez análises à água cujos resultados, cruzados com o Delegado de Saúde, ditou a interdição. “Recebemos instruções por escrito para contactarmos os concessionários de praia entre Faro e Vilamoura e pedir-lhes que colocassem bandeiras vermelhas, que foi o que fizemos.” Segundo o capitão, ainda nesta terça-feira serão feitas novas análises, só depois de escrutinados os resultados é que se saberá se as praias são reabertas ou não.

É destacada a necessidade de manter a calma e explicado que as micro-algas em questão só são perigosas para quem as ingerir. “O contacto com a pele não causa danos”, afirmou Nuno Cortes Lopes.

A culpa não é da poluição

“Isto é um fenómeno comum, há anos com mais crises de volume tóxico e anos com menos. Não tem é nada a ver com poluição”, é desta forma que Margarida Reis, professora de microbiologia na Universidade do Algarve, começa por clarificar o tema, falando com o Observador via telefone.

Segundo a especialista, estes fenómenos ocorrem quando se verifica um fenómeno natural chamado de upwelling, uma corrente marítima ascendente que traz à tona nutrientes  e cistos de microrganismos depositados no fundo do mar. Se os cistos de dinoflagelados encontrarem condições favoráveis de radiação e temperatura germinam (ou eclodem). Se forem cistos deste Lingulodinium polyedra temos este tipo de maré vermelha.

Fotografias da Dra. Carla S. de Freitas a uma amostra recolhida pela DR. Ana Flor Vidal. São estes os micro-organismos que estão a “tingir” parte da costa algarvia.

A grande questão que se levantava era se tudo isto era prejudicial à saúde ou não e a resposta, para Margarida Reis, não é direta. “Analises laboratoriais permitiram-nos perceber que estes organismos são potencialmente tóxicos, mas a verdade é que nunca houve ninguém a ficar intoxicado por culpa deles”, conta. Tem tudo a ver com a diluição/concentração destas substâncias. Manchas como a que foi identificada no Algarve não têm uma concentração suficientemente alta para afetar a saúde de um ser humano — “precaucionisticamente, num excesso de zelo muito pessoal, não colocaria crianças pequenas na água, a tolerância delas é menor que a de um adulto”. Contudo, os bivalves são um caso sério a ter em conta.

“Eles concentram uma quantidade elevada destas toxinas e isso pode fazer mal”, explica Margarida. É por isso mesmo que apenas aconselha a que as pessoas não apanhem ou consumam bivalves que sejam apanhados na zona afetada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)