Rádio Observador

Futebol

Jéssica Silva, a portuguesa da finta que percorreu o mundo, assina pelo tetracampeão europeu Lyon

237

Depois da contratação de Matilde Fidalgo pelo City, há mais uma portuguesa entre as melhores equipas europeias – ou neste caso a melhor: Jéssica Silva assina pelo Lyon da Bola de Ouro, Ada Hegerberg.

Internacional Jéssica Silva jogou os últimos dois anos em Espanha, já tinha passado pela Suécia e chega agora ao campeão francês

Getty Images

O futebol feminino continua em franca expansão e, depois do crescimento do número de praticantes, da competitividade da Primeira Liga e da presença da Seleção Nacional em Campeonatos da Europa seniores ou Sub-17, chega o momento da chegada de algumas das internacionais portuguesas às melhores equipas da Europa. Ou, neste caso, a melhor: Jéssica Silva, avançada que representou nas últimas duas temporadas o Levante (Espanha), assinou pelo tetracampeão europeu Lyon.

Depois de alguns anos no Clube Albergaria, Jéssica Silva teve a primeira experiência internacional na Suécia, onde representou o Linkoping FC durante duas épocas. Regressada a Portugal, à formação de origem, a jogadora esteve ainda uma temporada no Sp. Braga (no ano de estreia na Primeira Liga das minhotas) antes de rumar a Espanha, onde jogou no Levante entre 2017 e 2019. França é o próximo destino da portuguesa e logo num conjunto onde joga, entre outras estrelas, Ada Hegerberg, norueguesa que foi distinguida com a Bola de Ouro em 2018 e que foi também protagonista pela ausência no Mundial.

A informação foi confirmada na tarde desta terça-feira pelo próprio presidente do Lyon, Jean-Michel Aulas, na apresentação do novo técnico, Jean-Luc Vasseur. Entre as quatro jogadoras que chegarão para a próxima temporada, o grande destaque acaba por ser Nikita Parris, avançada internacional inglesa que jogava no Manchester City para onde se transferiu também este defeso Matilde Fidalgo, lateral internacional portuguesa que tem a curiosidade de encontrar no clube o primo Bernardo Silva.

Aos 24 anos, a jogadora chega ao topo do futebol feminino (além de ser tetracampeão europeu, o Lyon vence o título francês há 13 temporadas consecutivas) depois de ter corrido mundo no ano passado com o vídeo de uma finta: no Portugal-Bélgica, na qualificação para o Campeonato do Mundo, um lance de génio de Jéssica Silva na linha de fundo originou uma grande penalidade em período de descontos que permitiu o empate ao conjunto nacional por Dolores Silva.

Além de Jéssica Silva e Matilde Fidalgo, já existem outras internacionais portuguesas em algumas das melhores equipas europeias, casos de Cláudia Neto (ou CN7, que depois de vários anos em Espanha e na Suécia assinou pelo Wolfsburgo em 2017), Ana Leite (que após vários anos na Alemanha foi campeã nacional no Sporting e voltou ao Bayer Leverkusen), Mónica Mendes (teve experiências nos Estados Unidos, no Chipre e na Suíça antes de chegar a Itália, onde jogou em 2018/19 no AC Milan) ou Dolores Silva (jogou alguns anos na Alemanha, passou pelo Sp. Braga e foi campeã esta temporada pelo Atl. Madrid).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)