Rádio Observador

Polícia

Polícias do corpo de intervenção exigem atualização das ajudas de custo

Os polícias do corpo de intervenção exigem uma atualização das ajudas de custo, o pagamento de horas extraordinárias e um subsídio idêntico às das restantes subunidades da UEP.

Os elementos do corpo de intervenção, caso necessário, admitem avançar para novas formas de luta

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Algumas dezenas de elementos do corpo de intervenção da PSP concentraram-se esta terça-feira junto às instalações da Unidade Especial de Polícia (UEP), em Belas, Sintra, para exigir a resolução de vários problemas que afetam estes polícias.

A vigília teve como finalidade chamar a atenção do Comandante da UEP para os problemas com que se debatem os elementos do Corpo de Intervenção, uma das cinco subunidades da UEP.

Os polícias do corpo de intervenção exigem uma atualização das ajudas de custo (atualmente têm um valor de 39 euros), o pagamento de horas extraordinárias, nomeadamente nos jogos de futebol, e um subsídio idêntico às das restantes subunidades da UEP, disse à agência Lusa Paulo Sousa, membro do Corpo de Intervenção da PSP e dirigente do Sindicato Unificado da Polícia de Segurança Pública (SU/PSP).

Os elementos do corpo de intervenção queixam-se ainda das condições dos equipamentos de proteção individual, como coletes e capacetes balísticos, estando muitos fora do prazo de validade, bem como do excesso de horas de trabalho, adiantou Paulo Sousa.

Durante a vigília, uma comissão de cinco elementos do corpo de intervenção reuniu-se com o Comandante da UEP, a quem entregaram um caderno reivindicativo.

Paulo Sousa afirmou que sentiram por parte da hierarquia da PSP vontade em resolver os problemas, mas que há questões que terão que ser remetidas para o Ministério da Administração Interna (MAI).

Os elementos do corpo de intervenção aguardam agora uma resposta às suas reivindicações, pois, caso contrário, admitem avançar para novas formas de luta.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)