Rádio Observador

Meteorologia

Porque é que Portugal escapou à onda de calor que atingiu a Europa?

2.003

Enquanto Portugal vive um verão chuvoso, o resto da Europa está mergulhada em temperaturas para lá dos 40ºC. Porque é que isso não acontece cá? E onde anda o nosso verão?

Portugal é dos poucos países que vão escapar à massa de ar quente vinda do deserto do Saara que elevará o mercúrio dos termómetros para lá dos 40ºC em quase toda a Europa. Enquanto o instituto meteorológico espanhol está a preparar a população para uma onda de calor que pode durar até ao início da próxima semana, o nosso país continua timidamente escondido debaixo das nuvens num verão com temperaturas pouco estivais. A culpa é de uma depressão que estacionou a noroeste da Península Ibérica, por cima do oceano Atlântico.

Os alertas laranja têm soado por toda a Europa. Em Espanha, onde se esperam temperaturas acima dos 40ºC, a Agência Estatal de Meteorologia lançou um comunicado a avisar a população da “chegada de uma massa de ar tropical continental” que, por ter passado pelo norte de África, se tornou “muito quente, muito seca e com poeiras em suspensão”. Mais ao lado, em França, o ministério da Saúde pede à população que beba muita água, se resguarde em lugares frescos, evite as bebidas alcoólicas, não faça esforços físicos e mantenha as janelas fechadas. Tudo por causa da “canicule”, que é como quem diz, da onda de calor.

É assim em toda a Europa Central. Por exemplo, em Berlim, na Alemanha, as temperaturas podem chegar aos 35ºC esta terça-feira. Em Roma, Itália, e em Atenas, Grécia, duas cidades bem habituadas a estes fenómenos meteorológicos, o mercúrio dos termómetros pode inflamar até aos 36ºC a partir de quarta-feira e ao longo do fim de semana. Berna, a capital da Suíça, espera chegar aos 33ºC já esta terça-feira. E Oslo, na Noruega, assim como Estocolmo, na Suécia, está a registar as mesmas temperaturas que Lisboa. É como se a onda de calor estivesse a ser soprada para fora de Portugal. E, no fundo, está mesmo.

Desta vez, o segredo não está no anticiclone dos Açores. Apesar de a onda de calor vinda do norte de África também se mover em direção a Portugal, ela é desviada por causa do efeito tampão que a depressão estacionada no Atlântico — uma região de baixa pressão atmosférica em torno das quais o vento sopra no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, no caso hemisfério norte — provoca. Por outro lado, na Europa Central, o vento tem-se deslocado para nordeste e impede a massa de ar quente de chegar ao Atlântico e de desvanecer a partir daí.

É isso que está a condenar o resto da Europa a uma onda de calor — um fenómeno em que se registam temperaturas máximas diárias superiores em 5ºC ao valor médio diário durante pelo menos 6 dias consecutivos. E é também esta conjunção de fenómenos que coloca Portugal longe desse calor infernal.

Quanto ao verão, esse tem tardado a chegar pelo mesmo culpado de sempre: o anticiclone dos Açores, que por estar afastado da Península Ibérica, coloca Portugal na rota da nebulosidade. Nas previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, isso só deve mudar a partir de quinta-feira, altura em que as temperaturas vão começar a subir e a chuva vai dar tréguas. Ainda assim, algumas nuvens vão teimar em deixar o céu ligeiramente encoberto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)