Rádio Observador

Restaurantes

Ritz Lisboa. Brunch de domingo? Sai uma mariscada cinco estrelas

O hotel lisboeta propõe um banquete de produtos do mar aos domingos como alternativa ao concorrido brunch do Varanda. As novidades não ficam por aí: já é possível comer fine dining do Ritz em casa.

DEBORA INES ROCHA

Seafood Sunday — o nome da mais recente novidade gastronómica do hotel Ritz Four Seasons de Lisboa pode ter um nome em inglês, mas remete para um ritual profundamente português, o da mariscada. Foi no passado dia 23 de junho que este novo serviço foi inaugurado e, basicamente, acaba por ser uma alternativa ao já popularíssimo brunch domingueiro que há muito se serve no Varanda, o restaurante do hotel.

“O nosso chef Executivo Pascal Meynard tem vindo a construir a sua reputação em torno da sua criatividade e técnica na cozinha do Ritz, e nos últimos anos redefiniu também a oferta de domingo na cidade com o já famoso brunch”, explica em comunicado Joachim Jacob, o Diretor de Comida e Bebida desta luxuosa unidade hoteleira. Este Seafood Sunday é, portanto, uma nova experiência que contradiz o formalismo tantas vezes associado a este espaço. Os talheres de prata e os guardanapos de tecido dão lugar ao babete (de uso obrigatório!), à tenaz e à tigela de água com limão (para que se possa ir limpando as mãos, claro está) naquilo que pretende continuar a ser uma experiência refinada — “Seafood Sunday é uma experiência nova para os lisboetas; uma experiência informal, mas ainda assim requintada”, diz o mesmo responsável do hotel.

O chef Pascal a compor um “platter” de marisco igual às que vai encontrar nos Seafood Sundays.

Ora tudo isto resume-se em dois conjuntos de marisco, aquilo que chama de platters, um menu clássico à la carte, claro, e também uma experiência quase que semelhante aos omakase japoneses, balcões onde o pessoal de cozinha prepara ao minuto aquilo que os clientes poderão provar — marisco, neste caso. Tudo isto será servido no Ritz Bar (e seu terraço), daí poder contar também com os sofás e mesas baixas deste espaço gastronómico que fica no piso térreo do histórico edifício desenhado por Porfírio Pardal Monteiro nos anos 50.

Todas as opções que poderá escolher podem ser acompanhadas com champanhe, esse melhor amigo de produtos do mar como os que aqui encontrará e que são capturados ao longo da costa Atlântica, onde as águas frias são o habitat ideal para todo o tipo de espécies marinhas como a lagosta de água fria. Mais especificamente pode encontrar nos tais platters coisas como lagosta e percebes de Peniche ou do Algarve; lingueirões de Setúbal; carabineiros do Algarve; ostras de Sesimbra, Aveiro e Algarve.

Já entre as opções à la carte conte encontrar pratos típicos que o chef Pascal, mesmo não sendo português, já conhece de cor — afinal, já lá vão quase 10 anos desde que se mudou para Portugal em definitivo. Vai encontrar ameijoas à Bulhão Pato, salada de polvo, bisque de lagosta e até uma típica cataplana do algarvia (banhada pelo o molho secreto do chef).

“Cresci na região basca francesa, mantive-me sempre próximo do mar”, afirma Pascal ao falar desta novidade. É precisamente por causa disto que vê nesta novidade um “regresso a casa gastronómico” que o permite dedicar um menu completo àquilo que mais gosta de cozinhar — o marisco.

O platter individual custa 110€, o de duas pessoas sobe para 200€ e, se quiser juntar a este último uma garrafa de Champagne Perrier Jouët Grand Brut fica a 295€. Como já é habitual, as probabilidades de tudo isto encher rapidamente são grandes, daí ser aconselhável fazer reserva (para o 21 381 1400).

Outras novidades que batem à porta de casa

Uma novidade nunca vem só e prova disso é o Ritz Delicatessen, serviço que lhe leva a casa o melhor que os chefs deste hotel sabem fazer. Confuso? É simples: já é possível encomendar uma refeição de fine dining completa para saborear em casa.

“O Ritz Delicatessen é uma resposta aos pedidos dos nossos clientes. Durante anos, alguns dos nossos visitantes mais regulares levavam para casa o nosso famoso mille-feuilles, travessas coloridas de sushi e sashimi, pequenos canapés, ou chegavam a contactar a nossa equipa de catering para os seus eventos. Por isso pensámos: e porque não oferecer isto e muito mais a todos os lisboetas?” É desta forma que o mesmo Joachim Jacob explica como nasceu a ideia por trás deste novo serviço que também leva a assinatura do chef Pascal e do chef pasteleiro Fabien Nguyen.

Exemplo dos menus completos que vai poder encomendar.

Pode contar com um variadíssimo leque de opções que vão desde um pequeno-almoço continental completo, passando por várias saladas, snacks, sandwiches (como a célebre Club, uma das mais pedidas no hotel), wraps e sopas. O restaurante O Japonês também faz parte do leque de restaurantes e é por isso que pode contar também com as peças de sushi do sushiman Yukta. Opções mais reforçadas como o robalo com sal marinho e bivalves da Ria Formosa, por exemplo, ou até um qualquer prato de carne, também podem ser encomendados. O hotel tem preparado também cinco menus fixos conjugam entrada, prato principal, queijo, sobremesa e bebida, sendo eles o Marquês do Pombal (totalmente vegetariano), o Rio Tejo (prato principal de salmão, soja, sésamo e lima), o Camões (bacalhau, grão de bico e milho), o Vasco da Gama (galinha pintada com zimbro) e o Pedro leitão (sem glúten e lactose).

No campo das informações mais formais convém sublinhar que os menus podem ser sempre consultados aqui, que os pedidos podem ser feitos via e-mail ou telefone (213 811 418 / ritz.delicatessen@fourseasons.com) e que terão de ser recolhidos no Concierge do hotel, na hora confirmada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)