Rádio Observador

Lifestyle

12 Praias secretas no Alentejo para descobrir de Jeep Renegade

163

Fuja às multidões na costa alentejana com este aliado de peso: o novo Jeep Renegade faz qualquer trilho parecer uma auto-estrada graças a sistemas de tração que se adaptam a todo tipo de terreno

Brejo Largo

Fica colada, a sul, à praia do Cavalo, mas para praia secreta já tem uma legião de conhecedores admirável. O acesso faz-se, essencialmente, pela mesma estrada da vizinha equídea, sendo que a viragem em direção ao mar acontece mais cedo.

Machados

Também já foi bem mais secreta, antes de artigos como este. Acede-se pela estrada de terra batida – passa junto a estufas – que sai junto ao Monte Carvalhal da Rocha em direção ao mar. Se a passagem estiver aberta, aproveite. Se não estiver, deixe o Renegade e vá a pé.

Cão

Esta pequena praia a norte do Cabo Sardão só existe na maré vazia. Para lá chegar, saia da aldeia de Cavaleiro para oeste, pela estrada que vai dar à praia homónima. Depois, siga os trilhos na falésia – de Renegade ou a pé – e conte as praias. A do Cão é a terceira.

Cavalo

O areal é bem pequeno, mas o mais provável é encontrá-lo vazio mesmo no pico da época alta. Pode aceder-lhe saindo da Longueira em direção a norte, virando a oeste na primeira estrada de areia depois do campo de futebol.

Angra do Cozinhadouro

A sul de Vila Nova de Milfontes, a Angra do Cozinhadouro é uma pequeníssima praia selvagem acessível por trilhos de terra batida com ligação à N393, logo a seguir à saída para o hotel rural Moita Mar. Não há que enganar, o ponto cardeal a seguir é só um: Oeste.

Pinheirinho

Na N261, a meio caminho entre os Brejos da Carregueira de Baixo e Melides, existe uma saída alcatroada à direita, com dois muros brancos. Siga por essa estrada, que às tantas se transforma em terra batida. Ative o modo todo o terreno do Renegade, leve-o até à duna e voilà.

Areias Brancas

Também há quem lhe chame Fonte do Cortiço. Não é propriamente uma praia secreta, mas é menos concorrida do que as demais da zona, porque o acesso se faz por uma estrada de areia. Mas para o Renegade – e citando um famoso treinador de futebol – isso são peaners.

Areão

Seguir o rasto do lixo não é a recomendação que se espera ler quando o assunto são praias. Mas é o que tem de fazer para chegar à chamada praia do Areão. Siga as placas da ETAR de Ribeira de Moinhos e entre no caminho de terra batida que leva até às dunas.

Nascedios

É a vizinha desconhecida da praia do Malhão. O acesso faz-se pelo parque de estacionamento desta, tomando o caminho que segue para norte até encontrar um descampado onde deixar o carro. Depois, basta seguir a pé o trilho pela duna até ao areal.

Burdo

Tempo de o JEEP Renegade fazer jus ao nome: o caminho para a praia do Burdo vai testar a paciência do condutor e a tração integral do veículo. Siga os trilhos a sul da praia do Malhão, durante cerca de dois quilómetros, até encontrar a reentrância na falésia correspondente.

Malha da Costa

É a praia que fica entre o empreendimento de Soltróia e a Comporta. Para aceder, basta parar o carro na berma da N253, e desbravar as dunas em direção ao mar. Apesar de o Renegade ser menino para conseguir alcançar o areal, faça-o a pé, é mais ecológico.

Brejos

Está deserta praticamente todo o ano. Para lá chegar tem duas hipóteses: ou deixa o carro na aldeia dos Brejos da Carregueira de Baixo e vai a pé, ou pode avançar ao volante por entre arrozais até onde os trilhos o permitirem. Quando vir a duna, estacione – já cheira a mar.

Saiba mais em www.jeep.pt

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)