Kim Sung-joon, um apresentador conhecido da televisão sul-coreana, demitiu-se esta segunda-feira da Seul Broadcasting System (SBS) depois de se tornarem públicas as suspeitas de que terá fotografado as pernas de uma mulher sem a sua autorização. O caso está a ser associado à prática de molka, que consiste na gravação ilegal de imagens de natureza sexual ou de partes íntimas de mulheres para, muitas vezes, serem publicadas na internet.

Segundo a polícia coreana, citada pela agência de notícias Yonhap, Kim Sung-joon foi apanhado a fotografar com o seu telemóvel as pernas de uma mulher sem o seu consentimento numa estação de metro na capital sul-coreana. Uma testemunha terá avisado a mulher de que esta estaria a ser fotografada e chamou as autoridades. Inicialmente, o apresentador negou ter tirado as fotografias, mas uma investigação revelou fotografias das pernas da mulher que existiam no seu telemóvel.

O apresentador de 55 anos foi detido, mas libertado mais tarde. Raphael Rashid, um jornalista de Seul, noticiou que a SBS tinha relatado o caso no seu site sem mencionar o alegado criminoso, mas acrescentou que o artigo foi removido depois de Kim ter sido identificado publicamente. O apresentador chegou à SBS em 1991 e tornou-se numa das figuras mais conhecidas, tendo até sido considerado em 2013 o melhor apresentador pela Associação de Radiodifusores da Coreia.

A prática de molka é um problema que a Coreia do Sul continua a tentar combater. Em 2017, foram relatados em média 18 casos deste fenómeno todos os dias, de acordo com a agência policial coreana. Nesse ano, o número destes crimes aumentou de 1.353 para 6.470. O número real pode ser maior, uma vez que muitas mulheres não sabem que foram secretamente fotografadas ou filmadas.

A prática já levou a que cerca de 25 mil mulheres saíssem às ruas de Seul, em protesto, usando o slogan “My life is not your porn” (“a minha vida não é a tua pornografia”, em português), usando máscaras e empunhando cartazes a pedir ao Governo que tome medidas.

Colocar uma câmara oculta, na Coreia do Sul, é punível com uma multa de até 7.440 euros e uma condenação de até cinco anos de prisão. Mas o habitual é os acusados apenas terem que pagar uma pequena multa: dos 5.400 detidos pela prática deste crime, apenas 2% cumpriram pena de prisão.