803kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Primeiro-ministro da Coreia do Sul apresenta demissão depois de partido ter perdido eleições

"Aceitamos humildemente o resultado". Os resultados das eleições para o Parlamento da Coreia do Sul limitam ainda mais o Presidente Yoon Suk-yeol, mas não conferiram à oposição uma maioria absoluta.

A Coreia do Sul tem um sistema presidencial, em que o Presidente é eleito a cada cinco anos para um mandato único
i

A Coreia do Sul tem um sistema presidencial, em que o Presidente é eleito a cada cinco anos para um mandato único

JEON HEON-KYUN / POOL/EPA

A Coreia do Sul tem um sistema presidencial, em que o Presidente é eleito a cada cinco anos para um mandato único

JEON HEON-KYUN / POOL/EPA

O primeiro-ministro da Coreia do Sul, Han Duck-soo, assumiu a intenção de apresentar a demissão, depois de as eleições para o Parlamento terem dado uma derrota significativa ao Partido Popular da Coreia — um resultado que também fragiliza a posição do Presidente, Yoon Suk-yeol.

O líder do Partido do Poder Popular (PPP), Han Dong-hoon, também anunciou que vai resignar ao cargo, depois de ter conduzido a campanha que conquistou apenas 90 mandatos dos 254 elegíveis. “O nosso partido fez o seu melhor para concretizar políticas representativas da vontade popular, mas os resultados são dececionantes”.

O Partido Democrático (PD) — o principal partido de oposição — elegeu 161 parlamentares e conseguiu 14 mandatos do sistema de representação proporcional. Em conjunto com outras forças políticas mais pequenas, como o Partido Novo Futuro (centro-esquerda), o Partido Progressista (esquerda) e o Partido Reconstruir a Coreia (liberal) — este último, constituído há apenas umas semanas —, o bloco de oposição na representação parlamentar da Coreia do Sul é agora maioritário, com um total de 189 lugares conquistados.

Yum Seung-yul, analista político sul-coreano, disse, em declarações à Agência France-Press, que “os números revelam um descontentamento dos jovens em relação a Yoon pelos seus dois anos de mandato”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Yoon Suk-yeol tem perdido popularidade ao longo do tempo, ao deixar por cumprir as suas promessas de corte nos impostos, de liberalização do mercado e de políticas de apoio à família — isto numa sociedade com estatísticas de envelhecimento galopante e que enfrenta uma crise no custo de vida.

Coreia do Sul declara estado de crise grave na saúde devido a greve de internos

O líder sul-coreano tem sido criticado pela sua insensibilidade às condições de vida da população. No mês passado, Yoon envolveu-se numa polémica durante uma visita a um supermercado em Seoul, ao considerar “razoável” um molho de cebolinho custar 875 won (cerca de 0,60€) — porém, tratava-se de um artigo em desconto, cujo preço normal é entre os 3000 e os 4000 won (2,04€ e 2,73€).

O episódio foi de tal forma marcante que o cebolinho se transformou num símbolo político de oposição, com forte presença na campanha política do Partido Democrático e do Partido Reconstruir a Coreia.

GettyImages-2113282169

Cho Kuk, o líder do Partido Reconstruir a Coreia, levanta um molho de cebolinho durante a campanha política. (Fonte: ANTHONY WALLACE/AFP via Getty Images)

AFP via Getty Images

Líder da oposição esfaqueado na Coreia do Sul

Ainda assim, a nova configuração do parlamento sul-coreano não conferiu à oposição uma maioria de dois terços — um número que permitiria ultrapassar vetos presidenciais e até destituir Yoon Suk-yeol.

“Aceitamos humildemente o resultado”, disse Yoon, que prometeu mudanças na condução política do país. Porém, a capacidade legislativa do Presidente está bastante limitada pelos resultados eleitorais, pelo que, de acordo com o investigador Mason Richey, citado pela Reuters, a tendência agora é que Yoon “se concentre na política externa, onde mantém poder estatutário” — uma estratégia que o Presidente tem prosseguido, sobretudo nas relações da Coreia com os EUA e o Japão.

Joe Biden proclama “nova era de cooperação” dos EUA com Japão e Coreia do Sul

67% dos eleitores — quase 29,7 milhões de pessoas — votaram nas eleições de quarta-feira, de acordo com a Comissão Nacional de Eleições da Coreia do Sul. Com 99% dos votos contados, os resultados serão confirmados no final desta quinta-feira.

A Coreia do Sul tem um sistema presidencial, em que o Presidente é eleito a cada cinco anos para um mandato único.

O Parlamento tem 300 deputados e combina um sistema de eleição direta, que preenche 254 mandatos, com um modelo de representação proporcional, que distribui os votos que não chegaram para eleger diretamente os parlamentares.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa