Rádio Observador

Atualidade

Engenheiro da Tesla confessa ter roubado Autopilot

115

A Tesla tem uma série de vantagens sobre a concorrência e uma delas é, decididamente, o Autopilot. Um engenheiro admite que carregou o programa para a sua iCloud, antes de sair para a Xpeng.

O segredo é a alma do negócio, na indústria automóvel e em qualquer outra. A Tesla está muito mais avançada do que a concorrência, no capítulo do software, tanto mais que concentra toda a gestão do veículo num mega computador, em vez de mais de 100 CPU como aacontece com a concorrência – um Mercedes Classe S moderno, por exemplo, tem 130 CPU, contra apenas um do Tesla Model S, que ainda assim tem um potencial superior, segundo a Continental.

Um dos sectores em que a Tesla está mais avançada é o Autopilot, o sistema de ajuda ao condutor, que actualmente é de nível 2, mas que se prepara para atingir nível 3 ainda este ano. Foi este mesmo sistema que um engenheiro que trabalhava da Tesla carregou na sua iCloud, antes de sair da marca americana para ir trabalhar para os chineses da Xiaopeng Motors. Mas curiosamente, depois de confessar o crime, não admite ter praticado o… crime.

Não é fácil distinguir o original, da Tesla, da cópia em baixo

He Xiaopeng, o chinês dono da startup criada em 2014, sempre admitiu publicamente ter sido influenciado pela Tesla e até confessou assumir-se como um clone da marca americana. O que poucos sabiam, pelo menos na época, é que Xia falava a sério em relação a ter sido influenciado pela Tesla. A ponto de ter usado o mesmo “interface” da Tesla.

He Xiaopeng foi longe demais na sua “inspiração” da Tesla, o que resultou numa cópia descarada

O construtor americano percebeu finalmente a origem da fuga da sua tecnologia, quando Guangzhi Cao, o seu ex-empregado, depois de “apertado”, admitiu ter-se apropriado do código de programação da Tesla para o Autopilot e tê-lo carregado-o para a sua nuvem.

A marca americana processou o ex-empregado, com os advogados de Cao a responderem que o seu cliente efectivamente admite ter carregado a informação na sua conta pessoal, antes de deixar a Tesla e ir trabalhar para a Xpeng. Contudo, nega tê-lo feito com o intuito de roubar a propriedade intelectual da Tesla.

A Xpeng até poderia ter a vida facilitada, não fosse a Tesla ter assinado um acordo com o Governo chinês para instalar uma fábrica no país, para exportar a partir dali para todo o mundo asiático. Desta forma, é provável que a Tesla tenha músculo suficiente para reverter a situação a seu favor e impedir o que os chineses fazem habitualmente: roubar os segredos alheios com um à vontade que não existe (porque é punido exemplarmente) no mundo ocidental.

He Xiaopeng já admitiu não voltar a repetir façanha mas, a menos que o Governo local se imponha, é pouco provável que isso aconteça, uma vez que este é o modus operandi chinês.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)