Rádio Observador

Vinho

Jerónimo de Sousa denuncia “campanha terrorista” contra a Casa do Douro pública

O líder do PCP diz que raramente se viu uma "campanha terrorista contra uma decisão" do Parlamento tão organizada. Marcelo devolveu decreto que restaurava natureza pública da Casa do Douro.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu , em Vila Real, a restauração da Casa do Douro pública e de inscrição obrigatória, apesar da “campanha terrorista” contra a decisão da Assembleia da República. “Nesta legislatura foi possível avançar e, mesmo agora no final, confirmar a aprovação da restauração da Casa do Douro pública e de inscrição obrigatória. As pressões para que tal acontecesse foram imensas”, afirmou o líder comunista, num comício em Vila Real.

A maioria parlamentar de esquerda aprovou a 5 de julho o diploma sobre a Casa do Douro, com algumas alterações, mas que mantém a natureza pública e a inscrição obrigatória. Um primeiro diploma conjunto (PS, PCP, BE e PEV) foi aprovado em abril e, em maio, devolvido pelo Presidente da República ao parlamento, que pediu “uma reflexão adicional”.

“Raras vezes assistimos a uma tal campanha terrorista contra uma decisão da Assembleia da República, tão organizada, em que estavam tão claros os elementos essenciais da ofensiva”, salientou.

Jerónimo de Sousa referiu que, depois de, no anterior Governo, o PSD e o CDS terem extinguido uma “estrutura de mais de oito décadas ao serviço da defesa dos viticultores durienses”, foi possível aprovar uma reversão que “é essencial para a defesa de uma região onde a maioria dos viticultores são pequenos produtores”.

A Casa do Douro foi criada em 1932 e a natureza pública da instituição foi extinta em dezembro de 2014, durante o Governo PSD/CDS-PP.

O secretário-geral do PCP defendeu que a solução aprovada na Assembleia da República “garante uma ampla democraticidade do processo” e “permite, no futuro, devolver à Casa do Douro todas as competências históricas que lhe foram roubadas e pelas quais nunca foi ressarcida, como o cadastro ou a atribuição do benefício”. “Uma solução que permite fazer frente às grandes casas exportadoras e aos projetos de concentração da propriedade e da produção”, acrescentou.

Jerónimo de Sousa falava durante um comício de preparação para as eleições legislativas e onde foi apresentado oficialmente o primeiro candidato da CDU pelo círculo eleitoral de Vila Real, o médico de 54 anos Manuel Cunha. Em Vila Real, o líder comunista concentrou o seu discurso na região e nos problemas locais e destacou ainda a Linha do Corgo, que ligava as cidades de Vila Real e Peso da Régua e foi encerrada há 10 anos.

“Muito se tem falado na defesa do meio ambiente. Nós aqui estamos, mais uma vez, a afirmar que a defesa do transporte coletivo público é uma medida fundamental nessa direção. Avançar é, como tem afirmado o PEV com toda a insistência e também o PCP, reabrir a Linha do Corgo, mantendo aquelas populações ligadas e atraindo nova gente”, sublinhou.

Jerónimo de Sousa defendeu ainda o “combate à interioridade e o mundo rural” e frisou que “só é possível avançar com a CDU mais forte”, deixando, por isso, um apelo ao voto nas próximas eleições legislativas.

Manuel Cunha, o cabeça de lista da CDU por Vila Real, elencou os problemas do setor da saúde neste território, destacando a falta de médicos, a desqualificação do Hospital de Chaves e o encerramento do Hospital da Régua, que, ao contrário do que foi prometido, ainda não reabriu. O candidato falou ainda na luta da CDU contra as portagens nas autoestradas e elencou o “direito de sonhar” com a eleição, e o distrito contar, pela primeira vez, com um representante da CDU na Assembleia da República.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)