Rádio Observador

Ativismo

Merkel admite influencia da ativista sueca Greta Thunberg nas medidas pelo ambiente

Executivo alemão apresentará no próximo dia 20 de setembro a estratégia para reduzir as emissões de gases com efeitos de estufa, incluindo a remoção do carvão na produção de eletricidade.

"Não somos nós que não fazemos o suficiente, são os governos, o mundo dos negócios e os média que não estão a fazer o suficiente. É muito estranho que os adultos não se atrevam a ser responsáveis, e que sejam os jovens a as crianças a assumirem esse papel", disse Greta Thunberg numa manifestação em Berlim

FELIPE TRUEBA/EPA

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta sexta-feira que o seu governo decidiu ser mais ambicioso nas medidas contra as alterações climáticas como resposta à mobilização e marchas pelo ambiente de crianças e adolescentes inspirados pela jovem ativista sueca Greta Thunberg.

Merkel falava em conferência de imprensa ao mesmo tempo que decorria em Berlim uma manifestação com a participação de centenas de jovens integrada na ação com o lema “Fridays for Future”, que em português significa sexta-feira pelo futuro.

“A seriedade com a qual Greta e muitos, muitos jovens disseram que é o futuro que está em causa levou-nos a encarar o tema de forma mais séria”, admitiu e declarou Angela Merkel durante a última conferência de imprensa antes da sua pausa para férias.

A chefe do Governo alemão anunciou que o seu executivo apresentará no próximo dia 20 de setembro a estratégia para reduzir as emissões de gases com efeitos de estufa, incluindo a remoção do carvão na produção de eletricidade. A Alemanha reconheceu que falhará as suas metas de redução de emissões para 2022, mas mantém a expectativa de uma redução de 55% em 2030, em comparação a 1990.

Para alcançar esta meta, o Governo decidiu abandonar as centrais termoelétricas a carvão até 2038, um prazo considerado longo pelos ativistas e desprovido de um calendário preciso para encerrar as minas e centrais. Ao mesmo tempo que Angela Merkel se dirigia aos jornalistas, a ativista Greta Thunberg falava aos manifestantes em Berlim.

“Quando és um ativista pelo clima, especialmente um jovem ativista do clima, muitas vezes tens a sensação de que o futuro depende de ti, de nós, e é um fardo pesado para suportar”, declarou Thunberg. “Não somos nós que não fazemos o suficiente, são os governos, o mundo dos negócios e os média que não estão a fazer o suficiente. É muito estranho que os adultos não se atrevam a ser responsáveis, e que sejam os jovens a as crianças a assumirem esse papel”, continuou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)