Rádio Observador

Festivais

Festival Monte Verde arranca quinta-feira e traz aos Açores Steve Aoki e Joss Stone

Steve Aoki, Joss Stone, Eagle-Eye Cherry, Dillaz e Frankie Chavez são alguns dos destaques do cartaz. O festival vai decorrer entre quinta-feira e sábado.

Festival aposta num sistema 'cashless', em que não há troca direta de dinheiro dentro do recinto do festival

JAVIER CEBOLLADA/EPA

A sétima edição do Festival Monte Verde traz, entre quinta-feira e sábado, nomes como Steve Aoki, Joss Stone, Eagle-Eye Cherry, Dillaz e Frankie Chavez à Ribeira Grande, na ilha de São Miguel.

É logo no primeiro dia de festival que atua o DJ Steve Aoki, no palco Ribeira Grande, onde, no mesmo dia, sobem ao palco os Dealema, Tiago Nacarato e os açorianos João Moniz & The Daydreamers, DJ Souza, e Macow & Gonga, num dia que fica também marcado pelo regresso da banda portuguesa T4X1.

Para sexta-feira, os destaques são a cantora de soul e R&B Joss Stone, Frankie Chavez, Urkesta Filarmonika, Dillaz, Mishlawi, Delta Heavy e o recordista de presenças no festival, DJ Tójó.

O festival encerra com Eagle-Eye Cherry, com clássicos dos anos 1990 como “Save Tonight” e “Falling in Love Again”, mais hip-hop português com Profjam e Plutónio, que combina rap com R&B e Afro-Trap, o garage punk dos britânicos Vant, e a eletrónica de Vitalic, num palco por onde passa também Manel the Island Man e os DJ de trance Acid Wizard e Azax Syndrom.

Pelo certame passam ainda, ao longo dos três dias, 2Clubbers, Fitacola, Brazil Dub, Sara Cruz, Voyagers, Morbid Death, Flight of Eden, Manolo, Skills and the Bunny Crew, Rushrap, Phoenix RDC, Sippinpurpp, entre outros.

Criado em 2012, o festival, por onde já passaram nomes como James, The Hives, Seu Jorge, Ella Eyre, Guano Apes ou Gabriel o Pensador, regressa à praia do Monte Verde, na Ribeira Grande, com um sistema ‘cashless’, em que não há troca direta de dinheiro dentro do recinto do festival, e aposta em medidas como a abolição dos copos de plástico descartável.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)