Rádio Observador

Benfica

“A malta fala muito. É muita televisão e muito jornal”. Bruno Lage e um caso de estudo que é já um caso sério

272

O Benfica leva dez golos em dois jogos sem ser brilhante mas muito inteligente. Bruno Lage criticou "a malta" que "fala muito", explicou a opção Samaris e falou numa "vitória justa".

O Benfica foi para o intervalo a ganhar por 2-0 e marcou mais três golos no segundo tempo

AFP/Getty Images

Os comentários feitos nas rádios, nas televisões e nos jornais apenas minutos depois do final do Benfica-P. Ferreira prendem-se com as respostas a três perguntas: “O Benfica foi demolidor?”; “o Benfica mereceu vencer por 5-0?”; “o Benfica está a jogar assim tão bem que o novo normal é agora golear qualquer que seja o adversário?”. A resposta a todas estas perguntas, embora nunca linear, nunca é um redondo sim. Tanto no domingo passado, com o Sporting, como este sábado, com o Paços, os encarnados não foram demolidores, não mereceram por inteiro vencer por 5-0 e não jogaram assim tão bem para justificar uma goleada tão díspar. Ainda assim, em dois jogos, o Benfica venceu duas vezes por 5-0: e fazê-lo, principalmente tendo em conta que numa dessas partidas o adversário era o Sporting, nunca é fácil e merece elogios.

Em dois jogos oficiais em 2019/20, o Benfica leva dez golos marcados, zero golos sofridos, duas vitórias e um título conquistado. Além disso, a equipa de Bruno Lage somou a sexta temporada consecutiva a vencer o primeiro jogo da Liga e alcançou mesmo o melhor resultado inaugural desses mesmos seis anos, já que até aqui a maior vitória tinha sido em 2015/16 perante o Estoril (4-0). Mesmo com uma entrada mais morna no jogo, tal como já tinha acontecido na Supertaça, o Benfica foi eficaz, aproveitou os erros do Paços, tomou conta da partida e só precisou de acelerar a espaços depois de os pacenses ficarem reduzidos a dez elementos. A inteligência emocional dos jogadores encarnados, que sabem lidar com mestria com 20 ou 25 minutos menos conseguidos e não entrar em pânico ou em sublevações do coração face à cabeça, é o ponto chave de uma equipa a quem tudo parece correr bem.

Afinal, Seferovic nem sequer estava a ter uma grande noite e marcou um golo. Afinal, Rafa passou algo ao lado da partida mas ia marcando e ninguém se lembra de que não fez uma grande exibição. Afinal, Raúl de Tomás saiu logo no início da segunda parte mas a memória seletiva obriga-nos a fixar simplesmente que foi o melhor elemento encarnado até ao primeiro golo. Além de tudo isto, Pizzi já leva três golos esta temporada, Nuno Tavares marcou um golo enorme e ofereceu dois, Chiquinho entrou de forma quase perfeita e Carlos Vinícius estreou-se a marcar menos de 10 minutos depois de entrar em campo.

Na conferência de imprensa depois do jogo, Bruno Lage garantiu que esta foi uma “vitória justa perante um adversário que complicou imenso”. “Com a lição bem estudada, a defender de forma diferente em ambos os flancos e a travar o nosso jogo interior. Mas depois daquele golo fantástico do Nuno estivemos melhor e conseguimos abrir mais espaços. Esse primeiro golo desbloqueou. Foi uma exibição bem conseguida, com um resultado muito agradável. Mas ainda agora começou e temos de continuar a demonstrar qualidade”, acrescentou o treinador encarnado, que comentou ainda a opção de ter colocado Samaris e não Taarabt no lugar do lesionado Gabriel.

“A malta fala muito. É muita televisão e muito jornal. Mas é bom porque fala-se de questões táticas. O Samaris foi a opção. As pessoas não viram os jogos à porta fechada e foi por isso que o Samaris jogou. Já levámos 11 jogos e tive de analisar vários jogadores e perceber como poderiam jogar noutras posições. Florentino e Samaris foi a dupla que terminou o Campeonato no ano passado. Quem joga é quem trabalha, quem luta e quem treina bem”, sublinhou Bruno Lage.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)