Rádio Observador

Viana do Castelo

Câmara de Viana do Castelo compra tela para “guardar” ciclo artístico do poema “Havemos de ir a Viana”

139

A tela inspirada no poema de Pedro Homem de Mello está orçada em 1.400 euros e vai ficar exposta no Museu do Traje. "Uma memória da nossa identidade e da nossa cultura", disse o presidente da Câmara.

O poema de Pedro Homem de Mello foi imortalizado pela fadista Amália Rodrigues

ACÁCIO FRANCO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Câmara de Viana do Castelo comprou esta quarta-feira uma tela inspirada no poema de Pedro Homem de Mello, imortalizado pela fadista Amália Rodrigues e pintada pela neta do poeta, professor e folclorista português.

“Viana do Castelo passa a estar associada não só ao poema de Pedro Homem de Mello, como ao fado imortalizado por Amália Rodrigues e, agora à tela pintada pela descendente, num verdadeiro ciclo artístico”, referiu o presidente da Câmara de Viana do Castelo.

José Maria Costa, que falava à margem da inauguração da exposição intitulada “Havemos de ir a Viana”, de Mariana Homem de Mello, anunciou ainda que a tela, orçada em 1.400 euros, vai ficar exposta no Museu do Traje, em pleno centro da cidade.

“É um museu que faz a exaltação do nosso Traje à Vianesa e é o melhor local para ficar exposto. Uma memória da nossa identidade e da nossa cultura”, adiantou.

Situado na Praça da República, Museu do Traje está instalado num edifício construído entre 1954 e 1958, com características arquitetónicas do Estado Novo, onde funcionou até 1996 a delegação local do Banco de Portugal.

O espaço foi criado em 1997, assumindo a missão de estudar e divulgar a identidade e o património etnográfico do concelho.

A pintora de 45 anos, que expõe pela primeira vez em Viana do Castelo a convite da galeria de arte da Fundação Caixa Agrícola do Noroeste, disse sentir-se “muito honrada” com o destino que a câmara da capital do Alto Minho vai dar à obra.

“Foi a melhor coisa que me podia ter acontecido. É como se deixasse um bocadinho de mim, aqui (Viana do Castelo) para sempre. Acho que o meu avô ia ficar muito contente”, afirmou Mariana Homem de Mello.

A artista explicou que a família “é natural do Porto, mas com “fortes ligações a Viana do Castelo e ao Minho”.

“Somos do Porto, mas a nossa terra é Viana. O lugar de Cabanas, em Afife, onde o meu avô tinha a casa e escreveu grande parte da sua obra. Moledo, em Caminha, terra da minha mãe. Era aqui que eu passava os três meses de férias de verão. Fui muito feliz e desses tempos guardo as melhores memórias de sempre”, afirmou.

A pintora explicou que parte da mostra esta quarta-feira inaugurada, composta por 19 telas, é uma “homenagem” ao avô e, a outra “metade”, apresenta quadros inspirados “nos trajes regionais e no Minho, com toda a sua cor e energia”.

A exposição da neta de Homem de Mello vai estar patente até 27 de setembro na galeria de arte da Fundação Caixa Agrícola do Noroeste. Mariana Telles da Silva Homem de Mello nasceu no Porto no dia 03 de novembro de 1974, tendo vivido sempre em Lisboa.

Em 1992 frequentou o curso de Desenho da Sociedade Nacional de Belas-Artes de Lisboa e, uns anos mais tarde, em 2008, frequentou um curso de Pintura com a pintora Isabel Contreras Botelho.

De acordo com a informação que consta na página da artista na Internet, Mariana Homem de Mello “pinta e desenha desde sempre”. “A sua pintura foi, durante os primeiros anos, figurativa e expressionista. Em 2015 iniciou uma nova fase, abstrata, com trabalhos que, em mente, não apresentam nenhuma estética pré-concebida, criando subconscientemente a sua pintura em camadas através de gestos espontâneos e expressivos”, lê-se na publicação.

Os seus quadros, em acrílico, óleo, têmpera e carvão, encontram-se em coleções particulares em vários países. Está representada na Saatchi Gallery, em Londres e na Artmajeur, em França.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)