Rádio Observador

Livros

Descobertos desenhos de “O Principezinho” guardados numa casa na Suíça

2.808

Desenhos de "O Principezinho", criados por Antoine de Saint-Exupéry bem como uma carta de amor e um poema ilustrado, foram encontrados numa casa antiga de um magnata do imobiliário.

LUKAS LEHMANN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Desenhos de “O Principezinho”, criados pelo escritor francês Antoine de Saint-Exupéry para o seu livro, foram descobertos numa casa antiga no norte da Suíça, guardados por um magnata do imobiliário, entre milhares de obras de arte.

Adquiridos há mais de 30 anos num leilão, os desenhos estavam guardados numa pasta de cartão “em bom estado”, revelou à agência France Presse Elisabeth Grossmann, conservadora da Fundação para a Arte, Cultura e História de Winterthour, no cantão de Zurique.

Dentro da pasta encontravam-se três desenhos ligados ao livro — o bêbado no seu planeta, a jiboia que digere o elefante, acompanhada de anotações manuscritas, e o Principezinho e a raposa — e ainda um poema ilustrado com um pequeno desenho, mais uma carta de amor dirigida a Consuelo Suncín, mulher de Saint-Exupéry.

Os desenhos, cuja descoberta foi revelada pelo jornal diário Landbote, de Winterthur, não estão datados e foram realizados em tinta da China e aguarela.

O colecionador suíço Bruno Stefanini, que morreu em dezembro de 2018, com 94 anos, tinha comprado os desenhos em 1986, num leilão em Bevaix, no oeste da Suíça.

Proprietário de uma das maiores coleções de arte da Suíça, criou, em 1980, uma fundação em Winterthur para gerir o seu património.

“O Principezinho” foi escrito em Nova Iorque, nos Estados Unidos, por Antoine de Saint-Exupéry durante a Segunda Guerra Mundial, e ilustrado com as suas próprias aguarelas, tendo sido publicado em 1943 naquele país, e em 1946, em França, depois do desaparecimento do escritor e aviador, em 31 de julho de 1944, ao largo de Marselha, durante uma missão aérea para os Aliados.

O escritor viveu dois anos na Suíça, de 1915 a 1917, num internato religioso, em Friburgo.

As ilustrações originais do livro estão conservadas na Morgan Library, em Nova Iorque.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)