Rádio Observador

Chefs

Vasco Lello é o novo cozinheiro do célebre restaurante Sea Me, em Lisboa

768

O cozinheiro alentejano é, já a partir deste mês, o novo responsável pelas cozinhas do Sea Me, restaurante lisboeta dedicado aos ingredientes do mar, prestes a celebrar o seu décimo aniversário.

Vasco Lello trabalhou com nomes grandes como Fausto Airoldi e Aimé Barroyer

A pouco menos de um ano de celebrar uma década de funcionamento, o restaurante Sea Me – Peixaria Moderna, em Lisboa, apresenta Vasco Lello como novo chef. É já a partir deste mês de agosto que o alentejano de gema (que passou por cozinhas conceituadas como a da Bica do Sapato, no tempo de Paulo Morais e Fausto Airoldi, ou a do Valle Flor, no tempo de Aimé Barroyer), que liderava o Café Príncipe Real, do hotel Memmo Príncipe Real, assume os fogões deste que é um dos mais conhecidos espaços da baixa lisboeta.

“Sou um grande fã de peixe, gosto de o trabalhar e também de o comer, e o Sea Me é uma fonte inesgotável de boa matéria-prima. Por isso, este é o desafio ideal, num restaurante que já é uma referência. Já passaram por cá ótimos profissionais, e eu também gostaria de deixar a minha marca. Quero que o Sea Me continue a ser uma referência no que toca a peixe e marisco em Lisboa, mas também que este seja um pouco o Sea Me do Vasco Lello.”, explica o chef Vasco, via comunicado oficial.

As mudanças implementadas deverão começar a ser sentidas mais para o final do mês, depois de o normal período de habituação ao novo poiso, mas Vasco Lello deverá dar especial atenção à vertente de cozinha criativa que também se encontra neste Sea Me, a par do sushi e da grelha.

A abertura desta casa deu-se há quase dez anos (comemora a sua primeira década em 2020) e, na altura, foi um ponto de viragem importante no panorama gastronómico da capital. Serviu de escola a muitos profissionais que ainda hoje dão cartas em Portugal e no estrangeiro e com esta mudança procura reforçar e renovar o trabalho que praticamente todos os dias se desenvolve em torno de mais de 40 espécies de peixe portuguesas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)