Rádio Observador

Évora

Évora reúne 20 músicos nacionais e estrangeiros em festival internacional

Esta 2.ª edição do FIMÉ é dedicada ao período do Renascimento e do Barroco, segundo explicou o município. Espetáculo de abertura está agendado para as 22h00 desta quarta-feira.

O festival, que decorre até domingo, integra a programação deste ano do evento Artes à Rua

Fernando Veludo/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Nove concertos, protagonizados por 20 músicos, nacionais e estrangeiros, preenchem a 2.ª edição do Festival Internacional de Música de Évora (FIMÉ), que abre esta quarta-feira e é centrada nas sonoridades clássicas do Renascimento e do Barroco.

O festival, que decorre até domingo, integra a programação deste ano do evento Artes à Rua, organizado pela Câmara de Évora e que está a realizar-se na cidade alentejana até 5 de setembro.

Com direção artística de João Moreira, tenor do Coro de Câmara na Holanda e na Holland Bach Society, esta 2.ª edição do FIMÉ é dedicada ao período do Renascimento e do Barroco, segundo explicou o município. A música clássica está “no ADN” do certame, mas este “permanece amplo, ora pelo vasto leque de épocas que percorre no seu reportório, das mais às menos conhecidas, ora por receber músicos de todas as partes do mundo”, assinalou.

A iniciativa baseia-se numa residência artística de músicos, cantores e instrumentistas que, “durante uma semana, ocuparam vários espaços da cidade, ensaiando um repertório que resultará em ensaios abertos a todos e em nove concertos gratuitos, em várias igrejas e palcos” de Évora.

Um total de 20 músicos, portugueses e estrangeiros, “especialistas” no repertório em foco e “que tocam instrumentos de época”, protagoniza o conjunto dos nove concertos programados.

Compositores como Duarte Lobo, Frei Manuel Cardoso, Monteverdi, Gesualdo, Vivaldi, Couperin ou Bach “reviverão em lugares inesperados, deixando também lugar para conversas com os músicos, visitas guiadas e recitais ao ar livre”, indicou a organização.

A Praça do Giraldo é “palco”, às 22h00 desta quarta-feira, do espetáculo de abertura do FIMÉ, intitulado “Concerto Gloria de Vivaldi”, liderado pelo violinista Dmitry Smirnov. A outra das propostas, na tarde desta quarta-feira, é um concerto de órgão por Sérgio Silva, na Sé de Évora, que se repete na quinta-feira, à mesma hora, na Igreja de São Francisco, dia em que está programado um concerto de cravo por Miguel Jalôto, na Igreja de S. Vicente.

Para sexta-feira, estão reservados um recital de órgão de Alice Rocha, na Igreja do Espírito Santo, e, na Igreja dos Lóios, um concerto, a oito vozes, dedicado à música vocal ‘a cappella’.

No sábado, de manhã, um restaurante local acolhe um recital de música como terapia, pelo flautista Benny Aghassi e pelo cravista Miguel Jalôto, e, ao início da noite, na Igreja da Misericórdia, tem lugar o espetáculo “As Quatro Estações” de Vivaldi, novamente protagonizado por Benny Aghassi e também pela violinista Dima Smirnoff.

O repertório do concerto de encerramento do FIMÉ, no domingo, às 19h00, na Direção Regional de Cultura do Alentejo, é dedicado a Bach, com a participação de 20 músicos, de entre os quais as sopranos Mónica Monteiro e Maria Valdmaa, as mezzo-sopranos Åsa Olsson e Elsbeth Gerritsen e os tenores William Knight e João Moreira.

O festival é apoiado pela Direção Regional de Cultura do Alentejo e é um projeto em desenvolvimento no âmbito do programa europeu CHEBEC, da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC) e do Núcleo Empresarial da Região de Évora (NERE).

Já o Artes à Rua arrancou a 13 de julho e, até 5 de setembro, integra quase 100 espetáculos, de várias áreas artísticas, contando com cerca de 300 participantes, de 12 países.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Salazar

O lugar do morto /premium

Helena Matos
371

Em Santa Comba, a imagem da campa rasa de Salazar tem uma clara leitura política: morreu pobre o homem que esteve 40 anos no centro do poder em Portugal. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)