Rádio Observador

Prémios e Galardões

José Cid galardoado com Grammy Latino. É uma “celebração” da música portuguesa, diz

6.153

Prémio reconhece contributo importante para a música latina. Grammy é, para José Cid, o reconhecimento internacional do pop-rock português, que "merecia uma celebração a nível mundial".

José Cid conta com mais de 60 anos de carreira. Começou no mundo da música em 1956, com a banda de "covers" Os Babies

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

José Cid vai ser galardoado com um Grammy Latino de excelência musical, foi anunciado esta quinta-feira. O cantor e compositor português, musicalmente ativo desde meados dos anos 50, vai receber o Lifetime Achievement Award pelo seu importante contributo para a música latina.

Em comunicado, a Latin Recording Academy, que atribui os Grammys Latinos, que premeiam trabalhos em língua portuguesa ou espanhola, destacou a adaptação da influência da música popular inglesa a um “estilo original” de pop-rock português. A academia recordou ainda o percurso de Cid, que começou em 1956 com a banda de covers Os Babies e se prolongou durante as décadas seguintes. Nos anos 80, quando o compositor se virou para as “raízes de Portugal”, ganhou uma maior popularidade.

Este ano, além de José Cid, vão receber o Lifetime Achievement Award os artistas Eva Ayllón, Joan Baez, Lupita D’Alessio, Hugo Fattoruso, Pimpinela, Omara Portuondo e José Luis Rodríguez “El Puma”. Os prémios vão ser entregues em novembro, numa cerimónia conduzida por Jonnhy Ventura e Paola Rojas em Las Vegas.

“Cada uma destas lendas continua a deixar a sua marca no mundo da música latina através do seu talento, encanto e paixão por criarem sons que vibraram através das nossas comunidades, ao mesmo tempo que ajudaram a construir a nossa música durante décadas”, declarou Gabriel Abaroa Jr., presidente da Latin Recording Academy.

Os Grammy Latinos celebram em 2019 o seu 20.º aniversário.

José Cid ao Observador: “Há muito tempo” que o pop-rock português “merecia uma celebração a nível mundial”

Em declarações à Rádio Observador, José Cid declarou não estar surpreendido com a homenagem, não pelo seu caso, mas “porque há muito tempo que a música portuguesa e o pop-rock português, que é tão rico, merecia uma celebração a nível mundial”. Apesar de lhe ter calhado a si, como admitiu, o músico garantiu que existe muita gente talentosa em Portugal, “grandes poetas, grandes vozes, grandes músicos, grandes produtores que também poderiam ter recebido este prémio”. Cid lembrou o caso do “colega” Carlos do Carmo, que vendeu o mesmo prémio em 2014. Embora, “o fado seja uma coisa à parte”.

Sobre a divulgação e reconhecimento da música portuguesa, Cid apontou que “Portugal é um país muito pequenino” e que as suas “fronteiras são muito limitadas”. “O nosso mercado é, para as multinacionais, reduzidíssimo. Espanha não quer saber de nós, mas sempre tivemos melhor música do que eles. O Brasil também não quer saber de nós. Temos músicas que nunca foram reconhecidas no Brasil, e injustamente. Estamos confinados às nossas fronteiras e ainda por cima só metade do país é que gosta de poesia com sonho, de produções rigorosas. De grandes temas, mas produzidos de uma forma absolutamente atual e muito portuguesa também”, declarou. Na opinião do músico, isso “limita ainda mais o reconhecimento do pop-rock português” a nível mundial.

Cid garante que vai receber o seu galardão “em nome da música portuguesa”, dos seus colegas e daqueles que “gostam verdadeiramente de música de qualidade em português”. “Receber um prémio paralelamente à Joan Baez, que admiro imenso, é extraordinário para mim”, admitiu ainda. “Recebi prémios importantíssimos, mas este vem acrescentar muito. É a confirmação a nível mundial de que existe muita criatividade no nosso pais. Infelizmente, não jogamos futebol e não emigramos, portanto não temos esse reconhecimento lá fora e as fronteiras de Espanha estão-nos fechadas.”

Questionado sobre o facto de a Latin Recording Academy ter destacado a popularidade que o cantor e compositor, passados mais de 60 anos de carreira, tem junto do público português, Cid referiu que os espectadores continuam a aplaudi-lo nos muitos concertos que ainda dá e que “ninguém sai de lá”. “Isto é um sonho. É também muito um pouco da minha teimosia, mas eu gosto muito da minha profissão”, disse.

Marcelo Rebelo de Sousa: José Cid é um “orgulho” para os portugueses

O Presidente da República felicitou o músico português, num telefonema feito a partir de Lagos, pela atribuição do muito merecido Grammy Latino por ‘Excelência Musical'”. Numa nota publicada no site da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou a “importância de José Cid no panorama da música nacional e internacional, ao longo de uma brilhante carreira de seis décadas, agora justamente reconhecida”.

“O prémio, anteriormente atribuído a Carlos do Carmo, distinguiu este ano nomes tão importantes quanto Joan Baez e Omara Portuondo, a quem a Academia reconheceu igualmente contribuições excecionais para a música latina”, acrescentou Marcelo, afirmando que o cantor e compositor é um “orgulho” para os portugueses.

“Do Quarteto 1111 ao Festival da Canção, do rock progressivo às baladas e aos sucessos trauteados por várias gerações, a constância e a diversidade de José Cid, há muito reconhecidas em Portugal, recebem agora uma distinção internacional que é justo motivo de orgulho para o premiado e para os portugueses”, concluiu.

António Costa: “Importante prémio” para um dos “mais populares artistas portugueses”

No Twitter, o primeiro-ministro considerou que o Grammy atribuído a José Cid um “importante prémio” para um dos “mais populares artistas portugueses”. “Felicitei hoje José Cid pelo Grammy Latino de Excelência Musical. Se o Cid já era um dos mais populares artistas da música portuguesa, este importante prémio reconhece que o seu contributo é além-fronteiras. Parabéns”, referiu António Costa.

Ministra da Cultura: canções de José Cid são “montra inovadora que marcou o pop rock em Portugal”

A ministra da Cultura felicitou, em comunicado, o prémio atribuído ao músico português. “O excecional percurso de José Cid faz parte do cancioneiro nacional pop”, afirmou Graça Fonse, ao início da noite desta quinta-feira. “As suas canções atravessam gerações e são uma referência no panorama musical, montra inovadora que marcou o pop rock em Portugal.”

Na opinião da ministra, “o reconhecimento internacional é também o reconhecimento de uma inventividade linguística atenta aos fenómenos musicais do seu tempo, que permite à música portuguesa, e à sua história, dialogar com um território mais vasto como é o espaço latino”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)