Rádio Observador

Rússia

Putin responde a teste de míssil dos EUA: “Vamos reagir da forma adequada”

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, respondeu ao lançamento de um míssil dos EUA apontando para a "emergência de novas ameaças", às quais garante que a Rússia vai "reagir de forma adequada".

Donald Trump e Vladimir Putin, na cimeira bilateral de Helsínquia, em 2018

Getty Images

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, comentou a escalada de tensão com os EUA, marcada pelo lançamento de um míssil norte-americano no passado domingo, referindo que este movimento faz parte da “emergência de novas ameaças às quais vamos responder da forma adequada”.

Esta foi a primeira reação em público de Vladimir Putin depois de, no passado domingo, 18 de agosto, o Departamento de Defesa dos EUA ter anunciado que fez um teste de lançamento de um míssil Tomahawk. O lançamento foi feito na San Nicolas Island, na Califórnia, e, de acordo com o comunicado do Departamento de Defesa, o míssil em questão “atingiu com precisão o seu alvo após um voo de mais de 500 quilómetros”.

Este é mais um passo naquela que tem sido uma subida de tom entre os dois países que, até há pouco tempo, estavam unidos no Tratado de Não-Proliferação de Mísseis Intermediários (TNPMI). Porém, após várias ameaças nesse sentido, o Presidente dos EUA, Donald Trump, retirou o seu país daquele acordo no início de agosto, acusando a Rússia de não cumprir a sua parte.

Antes disto, em fevereiro deste ano, Donald Trump já tinha anunciado de forma unilateral a suspensão dos termos do TNPMI — o que, na prática, levou a que os EUA deixassem de estar formalmente obrigados a seguirem as regras anteriormente estabelecidas.

O TNPMI, assinado em 1987 entre Ronald Reagan e Mikhail Gorbatchov, bania o fabrico e desenvolvimento de mísseis cujo alcance estivesse entre os 500 e os 5.500 quilómetros — excluindo apenas os mísseis que pudessem ser disparados a partir do mar.

As declarações de Vladimir Putin foram feitas esta quarta-feira à noite, durante uma conferência de imprensa conjunta em Helsínquia, com o Presidente da Finlândia, Sauli Niinistö. O líder do Kremlin fala ainda depois de, a 8 de agosto, um teste de lançamento de um míssil, que se suspeita ter capacidade de transportar um pequeno reator nuclear, ter culminado numa explosão acidental.

Além de pelo menos sete mortos, entre cientistas que trabalhavam no desenvolvimento daquele míssil, o acidente levou ainda à interdição de qualquer trânsito naval ou uso balnear da Baía do Dvina, onde ocorreu a explosão. As autoridades locais chegaram a reportar um pico na radioatividade, mas esse aviso, publicado na internet, acabou por ser retirado.

A aldeia de Nyonoksa, a cerca de 50 quilómetros do local da explosão, foi evacuada. Porém, a explicação oficial para essa decisão apontou não para a possibilidade de haver radioatividade no ar, mas antes porque era necessária para ali serem realizadas atividades militares.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)