Rádio Observador

Espanha

Listeria em carne foi causada por falta de higiene na fábrica espanhola

219

A ordem dos veterinários de Sevilha aponta o dedo à marca Magrudis e à sua forma de processar a carne suína que já terá causado 192 doentes em toda a Andaluzia.

Os veterinários afastam qualquer alarmismo ligado ao consumo de carne de porco no geral e restringem os problemas à forma de trabalhar desta marca em específico

Juan Chicano/EPA

A Ordem dos veterinários de Sevilha acredita que o surto de listeriose causado por um rolo de carne comercializado pela Magrudis se deve a falha interna da empresa, “muito provavelmente, falta de higiene no processo de fabricação do produto”.

Entretanto, a Junta da Andaluzia confirmou três novos casos de infeção por listeria, localizados em Sevilha e Cádis, pelo que o número de pessoas afetadas, desde que o alerta de saúde foi decretado, é de 192 doentes.

Em comunicado, o colégio da especialidade entendeu que o surto “é indubitavelmente devido a um facto pontual e perfeitamente localizado”, que revela “a existência mais do que provável de falhas nos sistemas internos de autocontrole da indústria de produção e, especialmente, a mais do que possível ausência de controles” de listeria de acordo com o regulamento CE 2073/2005 da União Europeia.

Os veterinários argumentam que o sistema de segurança alimentar por que se rege a comunidade autónoma da Andaluzia e todo o Estado é “um dos mais seguros do mundo”, a ponto de ter sido “adotado para outros países”.

Este sistema baseia-se num duplo mecanismo de controlo: por um lado, o chamado autocontrolo que as próprias empresas produtoras devem exercer e, por outro, o controlo exercido pela administração pública competente.

“Não há evidências de que a carne de porco usada seja responsável pela infeção, mas sim o processo de manipulação que ocorre após a carne ser assada”, pelo que “não há razão para emitir um alerta alimentar que recomende travar os produtos de carne suína cuja saúde ainda esteja plenamente garantida”, acrescenta a Ordem.

Entretanto, a organização FACUA – Consumidores em Ação criticou a Junta de Andaluzia, o Ministério da Saúde e a Câmara Municipal de Sevilha por não mostrarem imagens do rolo de carne com listeria fabricado pela Magrudis para o distribuidor comercial Martínez León, que cria “alarme” nos consumidores.

A organização censurou que os consumidores não possam identificar a carne picada contaminada pela listeriose da marca branca da Magrudis.

Além disso, adverte, em comunicado, sobre a possibilidade de pequenos comerciantes e estabelecimentos de hotelaria terem comprado o rolo de carne fabricado para a Comercial Martínez León em estabelecimentos que o vendiam, e que “também têm dificuldade em identificá-lo”.

A associação lembra que a Junta da Andaluzia informou a Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição (Aesan), pertencente ao Ministério da Saúde, de que a carne de “La Mechá” que foi comercializada como uma marca branca pela empresa Comercial Martínez León estava mal rotulada.

A Junta confirmou que o produto tem a mesma apresentação que o comercializado pela Magrudis, mas não aparece no rótulo nenhuma marca, apenas a informação nutricional, segundo a Aesan.

Para a saúde, isto é “uma deficiência gravíssima”, porque a rotulagem incorreta permite a comercialização deste produto — quando não deveria permitir — e impossibilita o consumidor de o associar ao produto da Magrudis ligado ao surto, mesmo tendo sido objeto de um alerta emitido em 16 de agosto.

Perante essa situação, a Aesan insiste na importância de adquirir apenas produtos corretamente rotulados, nos quais seja possível saber quem é o responsável por colocá-los no mercado.

Em Portugal, a Direção Geral de Alimentação e Veterinária esclareceu na quarta-feira que a carne contaminada com a bactéria ‘Listeria monocytogenes’ da marca “La Mechá” e os produtos com origem no fabricante (Magrudis) espanhol, não são comercializados em território português.

A listeriose é uma infeção causada pela bactéria ‘Listeria monocytogenes’, habitualmente associada ao consumo de alimentos contaminados. De acordo com informação disponível no ‘site’ SNS24 do Serviço Nacional de Saúde, a listeriose pode causar febre, calafrios, dores musculares, enjoo, vómitos, diarreia.

A Direção Geral de Alimentação e Veterinária alerta os viajantes que tenham como destino as regiões de Madrid e Andaluzia, para a necessidade de adoção de medidas preventivas, nomeadamente a eliminação de produtos da marca que eventualmente possam ter adquirido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)