Rádio Observador

Eleições Legislativas

Catarina e Cristas. As descendentes de Keynes e de Chicago só concordaram em discordar

214

Catarina Martins quer mais investimento público, Cristas quer privado como motor da economia. A centrista quer baixar IRS e IRC para níveis irlandeses, a bloquista só admite mexer nos escalões do IRS.

ILUSTRAÇÃO:RAQUEL MARTINS

No ecrã, Catarina Martins estava à direita e Assunção Cristas à esquerda no único debate entre mulheres nestas eleições legislativas. Mas só se podia enganar quem tivesse a televisão com o ‘mute‘ ligado. No debate na RTP3, a líder bloquista não deixou ficar mal Keynes e Cristas não desiludiu os liberais da escola de Chicago. Uma quer mais investimento público, outra defende que o motor da economia deve ser o investimento privado. Uma quer baixar impostos às empresas ao ponto de Portugal ser uma nova Irlanda, outra acusa-a de querer tornar Portugal num offshore. Ficou claro porque o Bloco tem esquerda no nome e porque o CDS é o único partido parlamentar que assume ser de direita.

Um, dois, esquerda-direita. O ritmo foi de marcha e de batalha. Assunção Cristas e Catarina Martins estiveram em sucessivos ataques e contra-ataques. A política fiscal dominou a maior parte do debate de apenas meia-hora, mas houve tempo para a austeridade, para o investimento e para duas pequenas, ainda que muito pequenas, concordâncias: o aumento da licença de parentalidade e a ideia de que há desigualdade entre homens e mulheres.

Cristas começou por dizer que só tinha lido algumas partes do programa do Bloco de Esquerda, mas acabou a dizer que tinha lido tudo muito bem. Catarina Martins começou por dizer que leu tudo e acabou a ouvir a sua adversária a dizer que não se tinha preparado.

Impostos: Centeno vs Gaspar

Assunção Cristas tem uma bandeira de que não abdica: “A prioridade número um do CDS é libertar as pessoas, as famílias e as empresa da maior carga fiscal de sempre“. Para a líder centrista o governo da geringonça “apropriou-se da riqueza que as pessoas foram criando”. A solução de Cristas é assim baixar impostos, com particular destaque para o IRS (numa baixa média de 15%) e para o IRC.

Catarina Martins, claro, não concorda com nada. A bloquista disse que tinha lido o programa do CDS e criticou o facto de os centristas quererem colocar a taxa de IRC ao nível da Irlanda. “Em seis anos“, ainda retificou Cristas (o programa fala em chegar a um IRC de 17% em 2020 e 12,5%, o valor da Irlanda, em 2026). Mas a líder bloquista ia lançada a acusar Cristas de defender uma “ideia do Portugal offshore“, em que a economia é “assente na redução dos impostos para as empresas”.

A líder do Bloco fez ainda a defesa de honra de Centeno, destacando que a “receita fiscal aumentou”, mas não resultou num “esforço fiscal, porque a receita do Estado aumentou.” Lembrou, por exemplo, que “as contribuições para a Segurança Social aumentaram em 2,2 mil milhões de euros, porque o emprego aumentou”, que “o IVA aumentou sem as taxas terem aumentado, e até baixou na restauração”, entre outros exemplos.

E se Cristas defendeu que este governo castigou as famílias, Catarina Martins também teria resposta para isso: “Não sei que famílias é que a dra. Assunção Cristas conhece, as que eu conheço lembram-se do brutal aumento de impostos de Vítor Gaspar e agora reconhecem que estão a pagar menos impostos do que pagavam.” E viria ainda mais um ataque a Cristas: “É bom não dizermos coisas no ar, é bom olharmos para os números e sabermos o que estamos a dizer. A OCDE diz que rendimento disponível aumentou acima da média da OCDE”. Cristas ripostou que “Portugal está apenas à frente da Grécia e do Chipre” nessa matéria.

O regresso ao passado

A matéria dominou uma boa parte do debate. Se Catarina Martins lembrou Vítor Gaspar (e ainda foi a Paulo Núncio), Assunção Cristas acusou a bloquista de estar a querer comparar o incomparável: “Está a querer comparar um tempo difícil, de intervenção da troika, de excecionalidade, com um tempo de normalidade”. A líder centrista recordou que o “enorme aumento de impostos de Gaspar foi revogado pela carga fiscal máximo de Mário Centeno”. E aí atirou com um pronome possessivo para colar Catarina a António Costa: “[Mário Centeno] do seu governo, do governo que o Bloco apoia. Esse tempo [excecional] já passou. Não têm a desculpa da troika. Naquele tempo, por muito que quiséssemos, não era possível baixar impostos. Agora é”.

Cristas quis depois mostrar que, afinal, tinha o programa do Bloco na ponta língua e acusou Catarina Martins de querer “acabar com 127 benefícios fiscais, que incluem “isenções de quem vende e compra uma casa”. A líder centrista diz que o Bloco Esquerda “propõe-se acabar com todos estes benefícios fiscais porque entende que é combater abusos e repor a igualdade” e depois questionou, num piscar de olho à classe média e média alta que troca de casa: “Pergunto, vender a sua casa e comprar outra é abuso porque trocou de habitação?”. Para Cristas isto só quer dizer uma coisa: que Catarina Martins é não só “responsável pela maior carga fiscal de sempre”, como “propõe-se a aumentar ainda mais”.

Tempo de Catarina Martins responder que a proposta mencionada por Cristas tem detalhes que preveem que quem especula com imobiliário pague imposto e dizer que considera “má ideia baixar impostos sobre quem deve fazer o esforço fiscal porque não está a pagar o que deve” e “está a pagar menos do que quem paga o seu salário, a sua pensão”. A bloquista deixa claro que não quer baixar os impostos para as empresas, mas antes “desfazer o enorme aumento de impostos do governo” para as pessoas. Insistindo no governo de Passos, Catarina lembrou que Cristas fez parte de um governo que “impôs a ideia de que empobrecendo o país ia aparecer uma nova economia, pujante, que ia fazer o país crescer”. E guardou uns segundos para visar a própria tutela de Cristas quando lembrou a “lei das rendas, que despejou milhares de pessoas das suas casas”

Catarina Martins voltou a puxar da ideologia para dizer que a geringonça repôs salários, “ao contrário dos milionários que o CDS gosta de apoiar com benefícios fiscais”. O ênfase estava em “milionários”, um alvo do Bloco. Para a bloquista o país melhorou porque “quem ganhou o seu salário, a sua pensão não vai pô-lo numa offshore, vai gastá-lo aqui na economia”, daí que a economia tenha começado a melhor e a “respirar de alívio.” A líder do Bloco tentou ainda desmistificar a ideia de que o programa do BE quer aumentar impostos (embora assuma que não os quer baixar para as empresas e que no IRS quer “mexer nos escalões” para favorecer quem ganha menos): “Não é verdade que o programa do CDS é de descida de impostos e o Bloco de Esquerda de subida de impostos. A classe média do CDS é diferente da que conhecemos.” E lembra, por exemplo, que o BE defende a “descida do IVA da eletricidade”, que o CDS não acompanha.

Investimento público vs privado

Quando o moderador questiona Catarina Martins sobre uma série de medidas e sobre se é possível tanto investimento público, a coordenadora do BE responde: “É essencial. Ou o país investe ou não seremos capazes de resolver os problemas que temos. Aumentou-se a despesa neste período, mas não o suficiente para repor o que tinha sido cortado”, respondeu em mais uma farpa ao governo anterior.

E aqui voltaram as diferenças ideológicas. Para a bloquista, o SNS deve “voltar a ter capacidade de ter meios de diagnóstico, que hoje não tem, contratualiza com o privado, as pessoas andam de um lado para o outro e é mais caro”. Já o CDS, adverte Catarina Martins, “não quer creches públicas, quer contratualizar com privados. Não quer SNS, quer contratualizar com os privados. Põe o país mais fraco na mão dos privados“.

Assunção Cristas responderia que o CDS quer apenas uma “saúde centrada no utente”, mas admite o que chama de um “Estado social de parceria”, entre privado e público, para reduzir as listas de espera em cirurgias e consultar. Explica que se trata de uma questão de justiça para que, quem não tem seguro de saúde, possa também usufruir das comodidades do privado. Além disso, assume que se “utilize a rede de creches existente, com contratualização” ao invés de se construir creches públicas.

Cristas disse ainda que concorda que o “sem investimento o país não avança”, mas logo acrescenta que “tem de ser um essencialmente investimento privado”. Diz até que “foi o que puxou o país durante os últimos quatro anos”, já que “o investimento público nestes quatro anos ficou abaixo dos anos anteriores. O de 2018 está abaixo de 2015 e está abaixo da zona euro.” Tudo isto, em “quatro Orçamentos de Estado que o Bloco de Esquerda apoiou”. E explicou a sua visão mais liberal.  A líder centrista diz que é o “investimento privado que tornará” a sociedade portuguesa numa sociedade “mais robusta, mais livre, mais justa, para concretizarem a vida e os sonhos.”

Parentalidade, igualdade e ambiente. De acordo, mas pouco.

Catarina Martins disse logo no início do debate o que encontrou no programa do CDS que apoiaria: o aumento da licença de parentalidade. Mas acrescentou que o próprio CDS tinha chumbado essa proposta em julho. Mais tarde, Cristas ripostaria, dizendo que em março de 2016 já tinha defendido o aumento, mas que o Bloco chumbou. Na altura, lembra era para 210 dias, agora a ideia é que possa ir até um ano e que possa ser partilhado também por avós.

Quando se discutia igualdade, Catarina Martins teve um momento de aproximação a Cristas.  “Temos respostas diferentes, mas sentimos as duas a desigualdade de género da mesma forma“, afirmou. A líder bloquista diz que é a precariedade, uma luta de sempre do Bloco, que também provoca desigualdade quando “faz com que uma mulher seja despedida quando engravida”. Além disso, criticou os acórdãos (aqui o visado era Neto de Moura e outros juízes) que normalizam as agressões de violência doméstica.

Para Cristas também é uma prioridade criar “condições para reequilibrar as diferenças entre homens e mulheres” e que é por isso que o CDS insiste na licença de parentalidade a mãe, pai e avós. A líder do CDS lembrou ainda que os centristas defendem “smart working e trabalho a partir de casa”, que permite mais facilidade na vida familiar que “normalmente pesa sobre as mulheres”.

No ambiente, ambas defenderam que é preciso dar atenção ao ambiente e à escassez de água. Catarina Martins aproveitou para visar a EDP (“temos barragens a mais, as barragens provocam evaporação, portanto nós estamos sempre a perder água e isto é um problema muito complicado”), exigir métodos agrícolas que não desperdiçam água e apelou a negociações com Espanha (para a gestão dos caudais, principalmente do Tejo).

Cristas lembrou que o CDS juntou o tema “ambiente e território” e disse que, ao contrário do Bloco de Esquerda, os centristas querem “pensar, estudar, avaliar do ponto de vista ambiental e fazer alterações estruturais” que protejam da escassez de água a médio e longo prazo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Rui Rio

O centro-direita tem solução? /premium

Luís Rosa
103

O futuro do centro-direita deverá passar pela federação de liberais, conservadores e dos que desejam uma alternativa ao PS. Sem uma oposição forte, é a democracia que fica posta em causa.

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)