Um deputado da Coreia do Sul está a ser fortemente criticado depois de sugerir que uma professora universitária e a primeira mulher a assumir a chefia da Comissão Nacional do Comércio sul-coreano estaria a falhar “com a obrigação à nação” por não ter filhos, noticia o The Guardian e outros jornais internacionais.

Jeong Kab-yoon, da oposição conservadora do partido Liberty Korea (LKP, em ingês), disse que Joh Sung-wook, uma professora universitária de economia, apostara na carreira profissional sem pensar nos rácios de natalidade do país.

Estou ciente de que ainda está solteira, e o maior problema da Coreia do Sul é que mulheres não estão a conceber crianças. A senhora tem um bom currículo, mas cumpra com as suas obrigações , por favor”, disse Jeong aquando da comemoração da confirmação ao cargo, neste domingo.

Joh é professora de economia na Universidade Nacional de Seoul, e ao ouvir o político, sorriu de maneira desconcertada, sem responder. Nas redes sociais, a repercussão foi grande, e diversas pessoas passaram a defender Joh, alegando que o conservador está a violar os direitos da professora.

A Coreia do Sul é um dos países com os níveis de natalidade mais baixos do mundo, tendo registado 0.98 nascimentos por mulher em 2018. O número expectável para que se mantenha uma população estável é de 2.1.

O governo sul-coreano encoraja os casais a terem filhos investindo mais de mil milhões de dólares em subsídios para o período de gestação e serviços diários de cuidados com os bebés. Contudo, muitas mulheres alegam estar relutantes em terem filhos já que a rotina laboral as impede de equilibrar a vida profissional com a familiar.

Jeong acabaria por pedir desculpas pelo discurso, e reiterou que a sua intenção foi frisar a situação crítica da natalidade sul-coreana, e não atacá-la pessoalmente. Deputadas do partido democrata Democratic Party of Korea (DPK, em inglês) disseram ao jornal The Korea Times que Jeong não devia pertencer à Assembleia Nacional, dizendo que “[ele] aparenta acreditar que mulheres a parir e a cuidar de crianças a crescerem é a única maneira de contribuir com o país. Não tem condições para ser um deputado, responsável pela elaboração de leis na sociedade atual”.