Se a nova política de remunerações da SAD do Sporting for aprovada em Assembleia Geral de acionistas, o novo presidente do clube, Frederico Varandas, irá auferir esta época um vencimento de 182 mil euros brutos anuais, o equivalente (dividido por 14 meses, já com os subsídios de férias e Natal incluídos) a 13 mil euros brutos anuais. Isto em valores fixos: caso a equipa cumpra objetivos desportivos e financeiros a que se propõe, o vencimento de Frederico Varandas poderá subir para os 273 mil euros brutos, equivalente a 19,5 mil euros brutos mensais.

A proposta de remuneração para Frederico Varandas e para os restantes membros da comissão executiva da SAD por si presidida para a época 2019/2020 (mais baixa, de 131 mil euros brutos anuais, equivalente a 9.4 mil euros brutos mensais fixos, que poderão ascender a 12 mil euros brutos mensais em caso de cumprimento de todos os objetivos) será votada a 1 de outubro, em Assembleia Geral da Sociedade Anónima Desportiva leonina. E surge no documento de convocatória, que enumera os pontos em votação — por exemplo, a proposta de vencimentos para a época anterior, só agora discutida devido à entrada em funções da nova composição da SAD tardiamente, em outubro de 2018 — e explica os valores de remuneração propostas para 2019/2020 com base em cinco pressupostos:

  • “As condições económicas e financeiras da Sociedade, bem como a sua estrutura e dimensão”
  • “As características específicas do setor em que a Sociedade se enquadra”
  • “As práticas de remunerações no setor do futebol português”
  • “A tradição remuneratória da Sociedade”
  • “A recente análise de competitividade externa requerida pela Sociedade à consultora Mercer Jason” (…) A análise externa terá concluído, segundo o Conselho de Administração da SAD, que “o Conselho de Administração da Sociedade e do seu respetivo Presidente se posiciona consideravelmente abaixo da remuneração mediana das empresas que fazem parte do peer group do Sporting”

De futuro, os vencimentos dos membros executivos do Conselho de Administração da Sporting SAD poderão ser revistos, adianta o documento: “A presente Política de Remunerações [sic], bem como a sua implementação, serão objeto de revisão anual pela Comissão de Acionistas, que elaborará uma proposta de revisão anual da Política de Remunerações que será subsequentemente submetida à apreciação da Assembleia Geral da Sociedade”.

O resultado negativo de 18/19 e o preço dos reforços

Também revelado foi o Relatório & Contas referente ao exercício da época 2018/2019, que será igualmente votado pelos acionistas da SAD no dia 1 de outubro. No documento, fica-se a saber que a Sporting SAD investiu 33,2 milhões de euros no reforço da sua equipa de futebol entre setembro de 2018 e junho de 2019.

A SAD leonina teve um resultado negativo de 7,877 milhões de euros. Os valores despendidos nos atletas contratados este verão foram revelados e são os seguintes:

  • Luciano Vietto -> 100% dos direitos desportivos e  económicos adquiridos ao Atletico Madrid por 7,5 milhões de euros, num negócio que ao todo (comissões incluídas) custou 7,9 milhões de euros aos leões
  • Rafael Camacho -> 100% dos direitos económicos adquiridos ao Liverpool por 5 milhões de euros, num negócio que ao todo (comissões incluídas) custou 5,6 milhões de euros aos leões
  • Luís Neto -> 100% dos direitos económicos adquiridos a custo zero, num negócio que ao todo (comissões incluídas) custou 800 mil euros aos leões

Nas contas, regista-se ainda o aumento do passivo global em 42,256 milhões de euros, sendo que os capitais próprios se mantêm negativos, no valor de 23,604 milhões de euros.