Rádio Observador

Motos

Acidente de moto que podia correr (mesmo) muito mal

Para quem gosta, as motos são um meio de transporte sensacional, especialmente quando não chove. São ágeis, divertidas, rápidas e, com cuidado, relativamente seguras. O que não aconteceu neste caso.

Autor
  • Observador

Apesar de serem tradicionalmente o elemento mais fraco em qualquer acidente que envolva motos e carros, os motociclistas nem sempre guardam a aconselhável margem de segurança, expondo-se a riscos exagerados e… dolorosos. Neste caso, registado pela câmara de um automóvel que seguia atrás do motard “atrevido”, só uma dose garrafal de sorte não arrastou para a morte condutor e pendura, que ainda assim devem ter apanhado o susto das suas vidas. Que esteve quase a ser o derradeiro.

Em resumo, um condutor que viajava com pendura numa moto equipada com um conjunto de três malas, o que aconselharia a maior prudência nas ultrapassagens, decidiu começar por ultrapassar o automóvel que transportava a câmara, apesar do traço contínuo que o deveria ter impedido de realizar a manobra. Depois, o motard decidiu repetir a manobra com uma rulote puxada por um veículo, que não só ocupava toda a faixa de rodagem, como balanceava perigosamente. De repente, surgiram dois veículos lado a lado, em sentido contrário, e o embate foi inevitável.

O carro que lhe apareceu à frente, um Suzuki Vitara, conseguiu evitar um embate frontal, mas o toque foi o suficiente para lhe “limpar” uma das malas laterais e desequilibrar a moto, que depois atirou condutor e passageiro pelo ar. No final, acabou por ser um pequeno preço a pagar – uns riscos na moto, nas malas e no ego, além de umas nódoas negras – por um acidente que tinha tudo para correr muito mal, por manifesta falta de cuidado ou de paciência.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)