O Presidente cabo-verdiano disse esta quinta-feira que o Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) sugeriu que se deve repensar a questão do recrutamento para as Forças Armadas, procurando a especialização e o estreitamento da cooperação internacional.

“Também se avançou a ideia de que se deve repensar a questão do recrutamento para as forças de Cabo Verde, nomeadamente para procurar a especialização de quadros para que as Forças Armadas possam acompanhar a evolução do mundo de hoje”, disse Jorge Carlos Fonseca. O chefe de Estado falava após presidir à sexta reunião do CSDN, para analisar assuntos relativos às Forças Armadas, à segurança interna e à segurança regional.

A questão do recrutamento e especialização foi levantada por uma das personalidades convidadas para a reunião, mas o Presidente revelou que, na quarta-feira, já tinha abordado o tema durante um encontro com o Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (CEMFA), Anildo Morais.

Questionado se a ideia surgiu na sequência do assalto a uma casa na cidade da Praia, por parte de quatro militares, que foram detidos, o chefe de Estado respondeu que o objetivo é permitir às Forças Armadas uma constante adaptação às necessidades do mundo moderno, com novos desafios, novas ameaças e também para se adaptar às opções de desenvolvimento do país.

As Forças Armadas têm desafios novos, a ideia é de que, para além de haver algum critério, alguma cautela no recrutamento dos militares, se deve pensar que as Forças Armadas disponham de quadros qualificados a diversos níveis”, disse, lembrando que Cabo Verde tem um regime de prestação obrigatório do serviço militar.

O Presidente da República defendeu que não se pode ficar apenas na generalidade, mas sim ter formação superior, especialização, o que implica alargar e reforçar a cooperação das Forças Armadas com outras instituições de países estrangeiros. Além disso, entendeu que se deve continuar o trabalho de investimento em meios e recursos humanos, em condições logísticas e de operacionalidade da Guarda Costeira.

O CSDN, presidido pelo Presidente da República, é o órgão específico de consulta para os assuntos relativos à defesa nacional e à organização, funcionamento e disciplina das Forças Armadas.

O órgão integra ainda o primeiro-ministro, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, e os ministros dos Negócios Estrangeiros e Comunidades e da Defesa, da Administração Interna, e das Infraestruturas, Ordenamento do Território e Habitação.

São ainda membros efetivos deputados dos três partidos com assento parlamentar e o Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas.

Jorge Carlos Fonseca disse que convidou algumas personalidades para a reunião, nomeadamente o seu antecessor, Pedro Pires, o Provedor de Justiça e antigos chefes do Estado-Maior das Forças Armadas.