A percentagem de votos em branco nas eleições legislativas quase duplicou nos últimos 20 anos, passando de 1,1% para 2,1%, de acordo uma tabela divulgada nesta sexta-feira pela Pordata, no âmbito das eleições legislativas de 6 de outubro.

No “BI Especial Eleições Legislativas”, o projeto da Fundação Francisco Manuel dos Santos disponibiliza um conjunto de 60 indicadores que fazem o retrato de 20 anos de eleições em Portugal, entre 1999 e 2018.

O quadro da Pordata reúne dados de diversas áreas como a população, a educação, a saúde e o emprego. Além da quase duplicação da percentagem de votos em branco, a entidade revela também que há um crescimento de 0,7 pontos percentuais de votos nulos, desde 1999, de 1,0% para 1,7%.

O mesmo estudo indica que a percentagem de mulheres eleitas deputadas quase duplicou em 20 anos, tendo passado de 17,4 %, em 1999, para 33%, em 2015, o que corresponde a um terço dos 230 deputados da Assembleia da República, atualmente.

Por seu lado, o número de eleitores inscritos em 2015 foi de mais cerca de 800 mil em relação a 1999. Em 14 anos, os inscritos nas legislativas passou de 8,8 milhões para 9,6 milhões.

O maior crescimento é verificado entre as legislativas de 2005 e 2009, em cerca de 600 mil eleitores, passando de 8,9 milhões para 9,5 milhões.

Em relação ao número de deputados por partido, é de realçar o crescimento do Bloco de Esquerda (BE), que em 1999 elegeu dois deputados na Assembleia da República, contando agora com 19 assentos no parlamento e o PAN, que conseguiu pela primeira vez um mandato no sufrágio de 2015.

As legislativas para eleger os 230 deputados à Assembleia da República estão marcadas para 06 de outubro. Concorrem a esta eleição, a 16.ª em democracia, um número recorde de forças políticas — 20 partidos e uma coligação.