Cerca de 500 habitantes de Olivença com dupla nacionalidade são os primeiros espanhóis a poder votar nestas legislativas, de acordo com a publicação Rayanos Magazine, de Valência de Alcântara, Badajoz, para quem estes oliventinos “fazem história”. Foi a primeira vez que lhes foi dada esta oportunidade — “algo insólito“, escreve a Rayanos.

A população de Olivença com dupla nacionalidade recebeu durante esta semana uma carta a informar que podiam votar e depois um boletim de voto — ou uma nota de “boas-vindas à democracia portuguesa”, como apelida a publicação espanhola.

Costumo brincar com os meus colegas portugueses a dizer que será aqui onde finalmente será decidido quem governará no país deles”, conta um dos habitantes de Olivença.

De acordo com a publicação, os requisitos para se ter dupla nacionalidade vão variando. “Em alguns casos, é necessário apresentar uma árvore genealógica, enquanto noutros casos uma certidão de nascimento é suficiente”, explica um dos habitantes. Além dos 500 oliventinos, foram ainda chamados a votar os portugueses que vivem em Olivença.

Quem sabe, daqui a um ano, sejam mil. Ou, daqui a cinco, sejam 10 mil”, escreve a publicação.

Espanha anexou o território de Olivença em 1801. Mas, no dia 7 de Maio de 1817, a Ata Final do Congresso de Viena confirmava que Olivença é uma terra portuguesa, sendo exigido a Espanha à coroa espanhola que restituísse o território. A decisão foi aceite pelos espanhóis, mas não foi cumprida até hoje. O assunto nunca foi abordada pelos governos portugueses que se seguiram.