O Japão está este sábado em alerta máximo devido à aproximação do tufão Hagibis, que já provocou pelo menos um morto, graves danos materiais e cortes de energia a leste de Tóquio. Devido ao impacto esperado, as autoridades já recomendaram a retirada de cerca de 1,6 milhões de pessoas.

Espera-se que o tufão, classificado como “muito forte”, a segunda categoria de maior intensidade da Agência Meteorológica do Japão, atinja a zona centro e leste do país esta noite, com rajadas de vento até 216 quilómetros por hora.

Horas antes de chegar à costa, provocou pelo menos um morto na região de Chiba, a leste de Tóquio, que já havia sido atingida por um tufão no mês passado.

“Um homem de 49 anos foi encontrado numa carrinha capotada. Foi enviado para o hospital, onde a sua morte foi declarada”, disse à agência France-Presse (AFP) o porta-voz dos bombeiros de Ichihara, na província de Chiba. Na mesma província, a emissora NHK dá conta de graves danos materiais e cortes de eletricidade em cerca de 30 mil casas. As autoridades alertaram para o risco de inundações e deslizamentos de terra.

As duas maiores companhias aéreas japonesas, a ANA e a JAL, cancelaram quase todos os seus voos internacionais e domésticos de e para Tóquio, bem como os de Nagoya (central) e Osaka (ocidental).

O tufão também obrigou ao adiamento, de sábado para domingo, das qualificações para o Grande Prémio de Fórmula 1 (F1) no circuito de Suzuka.