O documentário em todas as suas declinações volta a assentar arraiais em a Lisboa. À 17ª edição, que decorre entre 17 e 27 de Outubro, o Doclisboa mostra um total de 303 filmes, 44 deles portugueses, com 11 na Competição Nacional. Há 39 estreias mundiais e 45 internacionais, nas secções competitivas e não-competitivas. O festival assinala os 30 anos da queda do Muro de Berlim com o programa Ascensão e Queda do Muro – O Cinema da Alemanha de Leste, apresentado na Cinemateca e que é composto por filmes produzidos na antiga RDA, principalmente pelo estúdio estatal Deutsche Film Aktiengesellschaft (DEFA), fundado logo após a II Guerra Mundial e que permaneceu em atividade até 1991.

A cineasta libanesa, e antiga jornalista e repórter de guerra Jocelyne Saab, que morreu em Janeiro, tem uma retrospetiva dos seus filmes, e a realizadora feminista independente norte-americana Barbara Hammer, também falecida recentemente, será objeto de uma homenagem. Os realizadores convidados são o libanês nascido no Senegal Ghassan Salhab e a canadiana  Sofia Bohdanowicz. O Doc tem dois novos prémios este ano: o Prémio Fernando Lopes para Melhor Primeiro Filme Português (Competição Nacional) e o Prémio Pedro Fortes para Melhor Realização (Verdes Anos). De toda a programação, selecionámos 11 filmes, tantos quantos os dias que dura este 17º Doclisboa. (Toda a informação aqui).

[Jocelyne Saab mostrou um mundo viciado em conflitos. O DocLisboa abre essa e outras janelas:]

“Brexit Behind Closed Doors”

De Lode Desmet

A história dos bastidores das negociações do Brexit, contada pela realizadora belga Lode Desmet, que seguiu em exclusivo, ao longo de dois anos, Guy Verhofstadt, o coordenador do Parlamento Europeu do processo de saída do Reino Unido da União Europeia, e a sua equipa de negociadores. Um documento único sobre um acontecimento que está a dominar a história da Europa neste século. (Dia 18, Cinema São Jorge-Sala Manoel de Oliveira, 18.15/Dia 23, Culturgest, 16.00)

“The Brink”

De Alison Klayman

Steve Bannon, ideológo do populismo soberanista e identitário e antigo estratega eleitoral e membro da equipa de conselheiros na Casa Branca do Presidente Donald Trump, está no centro do furacão deste documentário. A realizadora Alison Klayman segue-o durante as eleições intercalares de 2018 nos EUA, e nas suas viagens pela Europa, para contactar partidos e movimentos populistas de vários países antes das eleições para o Parlamento Europeu. (Dia 24, Cinema São Jorge-Sala Manoel de Oliveira, 19.00)

“Heimat ist ein Raum aus Zeit”

De Thomas Heise

O documentarista alemão Thomas Heise serve-se aqui dos arquivos e das recordações deixadas por quatro gerações da sua família, do século XIX aos nossos dias, e de imagens a preto e branco de paisagens e locais vários, para revisitar um século de história da Alemanha, associando o pessoal ao colectivo, a pequena história familiar à grande história nacional. (Dia 23, Cinema São Jorge 3, 18.30)

“Curtir a Pele”

De Inês Gil

A realizadora portuguesa Inês Gil viajou até à Beira Alta para filmar o dia-a-dia de uma fábrica de curtumes e dos seus trabalhadores. Este documentário acompanha duas das operárias, Carla e Lúcia, que são as únicas mulheres que agora ali trabalham, depois da saída de uma outra, Patrícia. Este facto é tão comentado pelos ex-colegas como as poucas animadoras perspetivas de futuro da fábrica. (Dia 19, Cinema São Jorge-Sala Manoel de Oliveira, 19.00/Dia 23, Culturgest, 16.30)

“Nomad: In the Footsteps of Bruce Chatwin”

De Werner Herzog

Cineasta nómada por excelência, Werner Herzog herdou a mochila do seu amigo Bruce Chatwin quando o autor de Na Patagónia, que revolucionou a literatura de viagens, estava a morrer de Sida. Neste documentário, o realizador alemão vai para a estrada com a mochila, para visitar e filmar os locais descritos por Chatwin nos seus livros. (Dia 27, Cinema São Jorge-Sala Manoel de Oliveira, 21.30)

“The Cavern Club: The Beat Goes On”

De Christian Francis-Davies e John Keats

Os Beatles tocaram 292 vezes neste lendário clube noturno de Liverpool fundado em 1957 por Alan Styner, e moldado à imagem dos clubes de jazz de Paris, os “caveaux” de que este tanto gostava e frequentava. Encerrado por duas vezes, demolido e depois reconstruído, o The Cavern Club voltou a acolher concertos de bandas e cantores. Esta é história deste “clube cavernoso, onde o suor escorria das paredes”, segundo um frequentador ferrenho. (Dia 19, Culturgest, 22.15)

“Wang Bing, Tendre Cinéaste du Chaos Chinois”

De Dominique Auvray

Realizador de documentários fundamentais como “Tie Xi Qu: West of the Track”, “Três Irmãs” ou “Almas Mortas”, Wang Bing tem registado as enormes mudanças sofridas pela China desde o início do século e os seus efeitos sobre as pessoas, as suas vidas e a paisagem, e explorado as memórias das barbaridades do comunismo maoísta. O francês Dominique Auvray dá-lhe a palavra neste filme. (Dia 25, Culturgest, 21.30/Dia 27, Cinema São Jorge-Sala 3, 19.00)

“Um Filme de Verão”

De Jo Serfaty

Favela de Rio das Pedras, zona oeste do Rio de Janeiro. As aulas estão quase a acabar e avizinham-se os longos e quentes meses das férias de Verão. Quatro jovens, Karol, Júnior, Ronaldo e Caio, procuram concretizar os seus sonhos, ao mesmo tempo que enfrentam toda uma série de pequenos e grandes problemas, desde as crises próprias da adolescência até aos vários perigos que existem no bairro. (Dia 19, Cinema Ideal, 22.00/Dia 23, Culturgest, 10.30)

“Forman vs. Forman”

De Helena Trestikova e Jakub Hejna

Um retrato íntimo de Milos Forman, o falecido autor de “O Baile dos Bombeiros”, “Voando Sobre um Ninho de Cucos” e “Amadeus”, feito a partir de imagens de arquivo, “home movies” e excertos de muitos dos seus filmes, com narração do seu filho, Petr Forman. O realizador fala, entre muitas outras coisas, do que era filmar na antiga Checoslováquia sob o comunismo e da sua posterior experiência em Hollywood. (Dia 21, Culturgest, 16.00/Dia 26, Cinema Ideal, 22.00)

“Dorival Caymmi — Um Homem de Afectos”

De Daniela Broitman

Uma entrevista inédita feita em 1998 é o fio condutor deste documentário sobre o cantor e compositor brasileiro Dorival Caymmi (1914-2008), autor de canções como “O que é que a Baiana Tem?”, “Saudade da Bahia”, “Samba da Minha Terra” ou “Modinha para Gabriela”. Inclui depoimentos de Caetano Veloso (que lhe chama “a maior figura da música popular brasileira de todos os tempos”) e Gilberto Gil, entre vários outros. (Dia 24, Culturgest, 21.30/Dia 25, Culturgest, 16.00)

“La Vida en Común”

De Ezequiel Yanco

Norte da Argentina. O governo local construiu 24 modernas tendas de cimento no meio do deserto, concebidas especialmente para albergar os membros da comunidade indígena local, os ranquel, e para as quais muitos destes se mudaram. A caça é um ritual de passagem entre os ranquel, e muitos dos rapazes querem ir matar um puma que anda a rondar as tendas. Não é o caso do jovem Uriel. (Dia 24, Cinema São Jorge-Sala 3, 19.15)