Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 11 dos 18 concelhos da Área Metropolitana de Lisboa (AML) fazer um novo contrato de arrendamento pode representar quase metade (46%) do rendimento médio das famílias, segundo o estudo “Tendências recentes de segregação habitacional na área metropolitana de Lisboa”, de João Seixas e Gonçalo Antunes, investigadores na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Este valor supera as recomendações internacionais.

Os investigadores usaram como período de referência o início de 2016 e o final de 2018 e analisaram a evolução das rendas quer no arrendamento, quer na compra de habitação, noticia o Público. Para os valores dos rendimentos das famílias e das rendas praticadas em cada município usaram os dados do Instituto Nacional de Estatística.

Para um rendimento médio familiar de 1.524 euros, a taxa de esforço para pagar o alojamento, calculada para o final de 2018, era superior a 35%, o limite máximo recomendado internacionalmente, em praticamente em todas as freguesias de Lisboa e na grande maioria dos concelhos da AML.

Nos concelhos analisados, o arrendamento levava, em geral, uma fatia maior do rendimento mensal do que o pagamento do crédito a habitação. Em Lisboa, por exemplo, no final de 2018, a taxa de esforço para comprar casa era de 58% e para arrendar 67%, em relação ao rendimento médio das famílias. Além de Lisboa, Oeiras e Cascais eram os concelhos com a maior taxa de esforço no arrendamento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Entre 2016 e 2018, alguns dos municípios mostraram uma grande subida da média da taxa de esforço na compra de casa: de 38% para 58% em Lisboa, de 38% para 53% em Cascais e de 29% para 44% em Oeiras. A freguesia lisboeta de Santo António representa um extremo com uma taxa de esforço de 91% para uma família com rendimento médio.

Para os investigadores, um dos pontos de preocupação é que as famílias com menores rendimentos — algumas com ordenados inferiores aos valores das rendas praticadas em muitos destes concelhos — estão a ser empurradas para locais menos centrais, sobretudo na margem sul do Tejo. Barreiro e Moita são os concelhos com menor taxa de esforço em relação ao rendimento médio.