“Se Boris Johnson estivesse a defender um Brexit genuíno, não havia necessidade de estarmos a lutar contra ele nestas eleições.” As declarações de Nigel Farage, líder do Partido Brexit, foram feitas à BBC, numa entrevista em que o antigo líder do UKIP fez saber que não será candidato às eleições britânicas que acontecem a 12 de dezembro.

O Partido do Brexit foi fundado no início deste ano para pressionar o governo conservador a romper com a UE e foi o mais votado nas eleições europeias de maio, com 31,6% dos votos.

“Não quero estar na política para sempre”, disse Farage, garantindo que pensou muito antes de tomar a decisão de não se candidatar. Acabou por concluir que serve melhor a causa — a saída do Reino Unido da União Europeia — se estiver do lado de fora, a fazer campanha contra o acordo conseguido por Boris Johnson, que considerou ser “pior do que estar na UE”.

Nas sondagens, os conservadores continuam a subir nas intenções de voto, com 40% para o partido de Boris Johnson. Os trabalhistas de Jeremy Corbyn não vão além dos 28% e os liberais democratas surgem com 14%. O partido de Nigel Farage reúne 11% das intenções de voto.