Um estudo sobre a situação da mulher guineense do mundo rural aponta para a existência de várias barreiras impostas pelos homens, inibidoras da sua participação nas tomadas de decisão.

Boaventura Santy, coordenador do estudo, promovido pela organização não-governamental guineense, Tiniguena, disse à Lusa que a amostra retrata apenas a realidade de 30 comunidades rurais, mas espelha a realidade vivida em toda a Guiné-Bissau. “Constatámos que existem barreiras exteriores à afirmação da mulher rural, constituídas pelos homens, mas também concluímos que a pouca instrução dessas mulheres, a pobreza e o excesso de trabalho, são também outros dos fatores para a sua fraca participação nas tomadas de decisão”, afirmou Santy.

O também sociólogo e investigador no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP) exemplificou que a mulher rural acorda e sai de casa às 6h00 da manhã e só se deita às 22h00, acabando por deixar para os homens a tarefa de decisão sobre os assuntos da comunidade. “A maior parte dessas mulheres são as provedoras da família, são elas que produzem o que se come, o que se veste e o que se gasta para outras necessidades. São levadas a pensar e incorporar na sua mente que o processo decisório cabe apenas aos homens”, sublinhou Boaventura Santy.

O investigador notou que o estudo concluiu que as mulheres rurais “acabam por ficar confinadas apenas à produção de bens de consumo e aos cuidados com as crianças”. Boaventura Santy realça que o estudo retratou a realidade de 30 comunidades, de Bafatá, no leste, Oio, no centro, e Cacheu, no norte, mas sublinhou que não há dúvidas em como espelha o que se passa na generalidade do mundo rural guineense.

“O estudo, realmente, só veio reforçar o conhecimento que o público tem em relação à situação de dificuldade, de submissão da mulher e a sua limitação em termos de participação nos processos decisórios, tanto a nível da sua comunidade como a nível nacional”, frisou Santy.

O investigador acredita ser possível inverter esse quadro desde que o Estado guineense reforce a educação e a instrução da mulher rural, crie reais condições para a sua participação nas tomadas de decisão o que, disse, passa pela eliminação de barreiras culturais e a ideia de imposição por parte dos homens.

O estudo, que é hoje apresentado em Bissau, foi financiado ao abrigo de um projeto do Fundo das Nações Unidas para a Consolidação da paz na Guiné-Bissau e executado em parceira com o Programa Alimentar Mundial (PAM).