Taiwan confirmou esta terça-feira o seu primeiro doente com uma nova pneumonia com origem no centro da China, que causou já seis mortos e infetou cerca de 300 pessoas, alastrando-se a vários países asiáticos.

A Agência Central de Notícias de Taiwan disse que uma mulher da ilha, que esteve recentemente na cidade chinesa de Wuhan, de onde o vírus é originário, está a ser tratada e foi colocada sob quarentena, depois de se ter dirigido voluntariamente aos serviços de saúde locais.

Taiwan está em alerta máximo para a doença, que tem semelhanças com a pneumonia atípica, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que entre 2002 e 2003 matou 650 pessoas na China continental e em Hong Kong, e está a examinar todos os passageiros oriundos de Wuhan.

O número de vítimas mortais com o novo tipo de pneumonia subiu esta terça-feira para seis, com a morte de dois pacientes, enquanto o número total de infetados ascendeu a 291, revelaram as autoridades chinesas.

Sobe para seis o número de mortos devido a surto de pneumonia na China. Número de casos sobe para 291

A ansiedade em torno da doença aumentou depois de um especialista do governo chinês ter assumido que o novo tipo de coronavírus, uma espécie de vírus que causa infeções respiratórias em seres humanos e animais, é transmissível entre seres humanos. Até à data, as autoridades diziam que não havia evidências nesse sentido.

Esta semana foram diagnosticados novos casos em Pequim, Xangai. Guangdong, a província chinesa que faz fronteira com Macau, detetou 14 casos, incluindo três em Zhuhai, cidade que tem dois postos fronteiriços com Macau.

Fora da China, quatro casos do novo coronavírus foram confirmados entre viajantes chineses na Coreia do Sul, Japão e Tailândia, todos também oriundos de Wuhan.