O presidente da Câmara do Seixal, Joaquim Santos, afirmou esta quarta-feira que o aeroporto do Montijo “não é solução”, mas antes “um projeto sem futuro”, e lamentou que tivesse sido dado parecer favorável à realização da obra, ainda que condicionado.

Este é um projeto sem futuro e que daqui por alguns anos estará esgotado, enquanto numa primeira fase do novo Aeroporto de Lisboa no Campo de Tiro de Alcochete iria fazer-se mais obra pelo valor que se prevê para a opção Montijo, sem afetar a saúde de milhares de pessoas”, afirma o autarca da CDU, em nota de imprensa divulgada pela Câmara do Seixal, no distrito de Setúbal.

Segundo Joaquim Santos, tal como acontece nos concelhos da Moita e do Barreiro, no concelho do Seixal também há zonas residenciais, sobretudo na freguesia de Fernão Ferro e na freguesia de Aldeia de Paio Pires, que ficam na área afetada pelo cone de aproximação das aeronaves ao futuro aeroporto complementar de Lisboa, onde se prevê que o “ruído ultrapassará em muito o que é admissível, colocando em causa a saúde e bem-estar das populações”.

A Agência Portuguesa do Ambiente confirmou na terça-feira a viabilidade ambiental do novo aeroporto no Montijo, projeto que recebeu uma decisão favorável condicionada em sede de Declaração de Impacto Ambiental (DIA). A APA impôs que sejam cumpridas medidas – relacionadas com a avifauna, ruído, mobilidade e alterações climáticas — para “minimizar e compensar os impactes ambientais negativos do projeto, as quais serão detalhadas na fase de projeto de execução”. Esta decisão mantém cerca de 160 medidas de minimização e compensação a que a ANA – Aeroportos de Portugal “terá de dar cumprimento”, as quais ascendem a cerca de 48 milhões de euros, adianta a nota da APA.

A decisão está a ser fortemente contestada por diversos municípios da região de Setúbal e também por várias associações de defesa do ambiente, que prometem recorrer a todos os meios legais para impedir a concretização da obra.

No comunicado esta quarta-feira divulgado, a Câmara do Seixal recorda que a construção de um novo aeroporto está em discussão há largos anos, com vários estudos efetuados pelos sucessivos governos, e lembra que a solução escolhida foi então a construção do novo aeroporto internacional de Lisboa no campo de tiro de Alcochete.

“Desde 2008 que a solução escolhida foi a construção de um novo aeroporto internacional nos terrenos do designado Campo de Tiro de Alcochete, após um estudo desenvolvido pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC)”, lembra a Câmara Municipal do Seixal.