*Em atualização

Uma aeronave caiu esta segunda-feira na cidade de Ghazni (a sudoeste de Cabul), no Afeganistão, uma região controlada pelos talibãs. Mas os dados que têm vindo a ser revelados acerca deste acidente são contraditórios e confusos. De tal forma que alguns meios de comunicação, como a BBC, falam de um mistério em redor deste desastre aéreo.

A aeronave despenhou-se às 13h00 (8h30 em Portugal). Pouco depois, o vice-presidente do país, Sarwar Danish veio anunciar que se tratava de um avião comercial: um Boeing que pertencia à companhia estatal Ariana. Danish chegou mesmo a expressar as suas condolências. Mas, horas mais tarde, o presidente da empresa, Alem Shah Ibrahimi, desmentiu a informação. “Os aviões da Ariana que levantaram voo chegaram ao seu destino e nenhum se despenhou“, disse a companhia aérea, num comunicado publicado no Facebook. Também o responsável pela agência de aviação civil afegã, Qasim Wafayezadathe, confirmou que nenhum avião comercial se tinha despenhado.

Entretanto, um porta-voz talibã, Zabihula Mujahid, disse que o avião pertencia às Forças Armadas dos Estados Unidos da América e que toda a tripulação tinha morrido. “Um avião especial dos ocupantes americanos caiu na província de Ghazni“, declarou em comunicado.

Também o Pentágono confirmou a queda de um avião militar norte-americano no Afeganistão mas referindo não possuir indicações de que tenha sido atingido por disparos inimigos, quando os talibãs asseguram que foi “taticamente abatido”. “Um bombardeiro E-11A americano despenhou-se hoje na província de Ghanzi, no Afeganistão”, referiu em mensagem no Twitter o porta-voz das forças militares norte-americanas no Afeganistão, coronel Sonny Leggett.

O bombardeiro E-11A é um aparelho de apoio aos drones de reconhecimento, equipado com material de comunicações muito dispendioso. “Está em curso um inquérito sobre as causas do acidente, mas não existe qualquer indicação que tenha sido provocado por tiro inimigo”, acrescentou Leggett.

Previamente, os talibãs tinham reivindicado o derrube do aparelho, e segundo os talibãs e as autoridades afegãs não houve sobreviventes, apesar de não ter sido ainda revelado o número de ocupantes. O porta-voz talibã Zabihullah Mujahid disse também tratar-se de um voo “em missão secreta” e “todos os tripulantes do avião e os responsáveis da CIA a bordo morreram”, assegurando que “os restos do aparelho e os cadáveres dos tripulantes estão na zona” do impacto.

Este incidente coincide com as conversações mantidas no Catar entre representantes dos EUA e dos talibãs, que segundo os insurgentes se encontram muito avançadas. No entanto, o incidente desta segunda-feira poderá implicar um novo obstáculo às negociações.

Inicialmente chegou a ser avançada que iam a bordo 83 pessoas e que todas tinham morrido. No entanto, não há informação oficial sobre o número de vítimas. Segundo a CBS, foram encontrados os corpos de dois pilotos e o avião ficou completamente destruído.Um repórter da Al Jazeera no local relatou que as forças de segurança afegãs já estão no local. “A informação que nos está a chegar de testemunhas é a de que todos os passageiros morreram”, disse o jornalista Zein Basravi, acrescentando que “apenas os corpos dos pilotos estão reconhecíveis”.