Modelos e antigos trabalhadores da Victoria’s Secret denunciaram comportamentos inapropriados de um ex-diretor de marketing da marca. Isto acontece numa altura em que marca dos ‘anjos’ tentava rerguer a sua imagem depois ter fechado várias lojas e cancelado o seu mítico desfile anual.

As acusações direcionadas a Ed Raze, assim se chama o ex-diretor de marketing, foram adiantadas pelo jornal The New York Times. Os vários testemunhos garantem que este terá, por várias vezes, perseguido e assediado modelos da marca, havendo alegadas tentativas de beijos e pedidos para se sentarem no colo. “Tentava beijar as modelos, pedia que se sentassem de joelhos e até tocou na virilha de uma modelo antes do desfile de 2018”, pode ler-se na publicação do New York Times.

Andi Muise, modelo canadiana, foi uma vítimas, que depois de rejeitar repetidamente as insinuações de Razek, saiu da empresa.

Bella Hadid foi outra das alegadas vítimas de Razek. Diversos testemunhos alegam que o ex-diretor de marketing, terá dito minutos antes do desfile anual para que esta se esquecesse das cuecas enquanto comentava os seus “seios perfeitos”,

O fundador da Victoria’s Secret, Leslie Wexner, foi apontado como cúmplice por permitir que os comportamentos inadequados. Além disso, apesar de todas as reclamações feitas contra Razek, nenhuma atitude foi tomada quanto ao assunto.

Depois de a investigação do The New York Times ser publicada, Ed Razek garantiu que todas as acusações de que é alvo são falsas, adiantou o ABC. Já a empresa, emitiu uma declaração, onde se pode ler: “Fizemos progressos significativos. Lamentamos qualquer situação em que não alcancemos esse objetivo e estamos comprometidos com a melhoria contínua e a total responsabilidade.”

Desde que o escândalo sexual rebentou, a L Brands apagou a foto da modelos da Victoria’s Secret em roupas íntimas e pôs uma foto da Bath & Body Works. Segundo a Fast Company, trata-se de um sinal de que a L Brands se quer distanciar da Victoria’s Secret, que tem sido vista como um ativo tóxico pelos media e pela sociedade.

As ações da L Brands caíram 3,2% na segunda-feira em Nova York, adiantou o Los Angeles Times.

Às alegações de assédio sexual por parte de Ed Raze, juntam-se as críticas ao marketing da marca e a relação com Jeffrey Epstein, o alegado predador sexual que foi encontrado morto na sua cela enquanto esperava julgamento por acusações relacionadas com tráfico sexual de mulher e abuso sexual de menores de idade.

Em agosto, mais de 100 modelos, incluindo Christy Turlington Burns e Edie Campbell, assinaram uma carta aberta ao CEO da Victoria’s Secret, John Mehas, pedindo que este as protegesse contra o assédio e agressão sexual.