É a mais recente (e possivelmente mais arriscada) estratégia de marketing do Burger King nos Estados Unidos. A cadeia de fast food norte-americana decidiu anunciar o novo Whopper sem conservantes com um anúncio que mostra o hambúrguer a ser consumido por fungos ao longo de 34 dias. E a acompanhar a publicidade, Dina Washington canta “What A Difference a Day Makes”.

É a realidade nua e crua da comida sem conservantes. E foi essa que a equipa de Fernando Machado, o brasileiro que lidera a equipa de marketing do Burger King a nível mundial, quis transparecer sem rodeios. O hambúrguer começa intacto e fresco no primeiro dia de filmagens, mas transforma-se dias após dia num terreno fértil para bactérias e fungos.

Ao fim de 34 anos, o prato da casa está completamente destruído pelo bolor — um cenário a que o Burger King chama “a beleza da comida verdadeira”, que sem conservantes artificiais fica “feia”.

O anúncio não é apenas inovador. É também um contraste total com alguns dos vídeos mais famosos da internet com produtos da marca rival, o McDonald’s, que mostram hambúrgueres praticamente intactos ao fim de anos fechados em caixas. Os conservantes artificiais mantêm a comida livre de fungos durante mais tempo, como comprovam essas imagens.

O Burger King mostra assim que consegue o exato oposto ao eliminar esses aditivos, atraindo um público que prefere comprar produtos orgânicos e mais saudáveis. É uma tendência de mercado. Por exemplo, desde 2018 que o McDonald’s deixou de usar conservantes em muitos dos ingredientes e eliminou os antibióticos da carne de frangos.

Em comunicado de imprensa, Fernando Machado diz que a Restaurant Brands — empresa-mãe do Burger King — acredita que “a comida verdadeira sabe melhor”: “É por isso que estamos a trabalhar muito para remover conservantes, cores e sabores de fontes artificiais dos alimentos que servimos em todos os países do mundo”, confirmou.