Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sir Tile

Ainda são poucos os que perdem tempo a escolher que par de meias calçar todas as manhãs ou que decidam o que vão vestir a partir dessa mesma escolha. O casal João Portas e Paula Cortez é uma exceção. “Queremos que as meias deixem de ser o parente pobre do mundo da moda”, dizem.

Conheceram-se enquanto estudavam design de produto no Porto, trabalharam juntos numa fábrica familiar que produzia meias e em outubro de 2018 aventuraram-se numa marca própria. A Sir Tile junta o algodão e a licra em sete modelos diferentes, onde o azulejo português presente nas fachadas ditam os padrões e são a principal inspiração.

As meias da marca são produzidas em Braga, estão disponíveis a um preço único (20€) e em dois tamanhos, que se adaptam facilmente a todos os formatos de pé. Criar um produto intemporal, sem género, irreverente e divertido foi a intenção do casal, que este ano espera lançar novos padrões e estabelecer parcerias com artistas gráficos. Apesar de terem vários pontos de venda de norte a sul do país, João e Paula sentiram necessidade de abrir um espaço próprio para que pudessem ter contacto direto com o cliente, que graças à loja online também tem nacionalidade inglesa, americana, espanhola, alemã ou suíça.

3 fotos

Rua Miguel Bombarda, 198. Segunda a sexta, das 10h às 13h; das 14h às 18h. Sábado, das 15h às 19h

Bardo

Segundo o dicionário, um dos muitos significados da palavra “bardo” é “terreno cultivado”. Foi a partir deste conceito que as amigas de longa data Cátia Fernandes, Isadora Faustino e Carolina Barbot juntaram esforços e ideias para cultivar criatividade num espaço polivalente.

Carolina é fotógrafa e uma fã confessa de revistas bonitas. Gastava tanto dinheiro nelas que resolveu abrir a Wise em 2017 nas Galerias Lumière, uma livraria onde reinavam nas prateleiras revistas nacionais e internacionais de cultura urbana, moda, lifestyle, design, decoração, arquitetura ou fotografia. Com o fim anunciado das Lumière no centro do Porto, Carolina precisava de um espaço alternativo para continuar com o projeto. Foi com essa intenção que se juntou a Cátia e Isadora, a dupla fundadora do Oh Me, Oh My Studio, uma agência especializada na produção de conteúdos para marcas de design de produto e de interiores.

Deste casamento nasceu a Bardo, uma morada que alberga uma loja, o escritório da agência e o estúdio de fotografia de Carolina. Aqui vai poder encontrar revistas vindas dos quatro cantos do mundo, objetos de decoração, como candeeiros, mesas, quadros ou tapeçarias, tudo com a curadoria das três amigas. O objetivo é que exista rotatividade de marcas mensalmente e em breve será lançada uma programação própria para o espaço com talks, eventos e workshops sobre áreas tão diferentes como o design industrial, a cerâmica ou o universo têxtil. Criar sinergias com os negócios vizinhos também está na mira deste grupo, que pretende criar um projeto editorial sobre o bairro e um podcast que una artistas, galeristas e comerciantes.

3 fotos

Rua Adolfo Casais Monteiro, 117. Terça a sexta: 11h às 18h. Sábado: 12h às 18h

LOJA

Susana Beirão é uma apaixonada por viagens, objetos de outros tempos, cinema e fotografia. Estudou design e esteve 13 anos à frente da Casa Almada, na rua homónima, uma loja especialista em decoração e mobiliário do século XX. Em 2020 decidiu mudar de zona, mas manteve o conceito e abriu a LOJA no quarteirão das artes, que acredita no futuro ser também “um polo de design interessante”.

A morada é uma antiga loja de produtos ortopédicos que Susana recheou com uma seleção de objetos clássicos, vintage e contemporâneos com os quais se identifica e a fazem sentir em casa. Mesas em mármore, cadeiras em madeira ou candeeiros em plástico são algumas peças distribuídas pelo espaço, muitas delas únicas e exclusivas. Se umas têm selo europeu, outras são produzidas em pequenas oficinas no Porto, onde a responsável faz questão de acompanhar todo o processo de forma a garantir o lado sustentável nas técnicas e materiais utilizados.

Há também livros de fotografia, estacionário vintage, carimbos de madeira, talheres em bambu e sacos feitos pela artista Paula Lopes a partir de retalhos de mantas. No piso inferior está o mobiliário de maiores dimensões, como uma secretária centenária suíça, letras luminosas ou móveis infantis, e um pequeno pátio que será palco de algumas iniciativas que ainda estão a ser cozinhadas.

3 fotos

Rua Miguel Bombarda, 207. Segunda a sábado, das 13h às 19h