Frente longa, grelha imponente, capot do motor “dividido” por uma aplicação cromada que termina na insígnia DS. É assim, poderosa, a secção dianteira do novo saloon de luxo da marca premium francesa. A isso, o 9 alia uma silhueta fastback, com um pilar C muito inclinado e uma linha de cintura marcada a promover a união dos faróis com os farolins. Os puxadores de portas estão dissimulados, pois surgem e recolhem electricamente, tal como já acontece no DS 3 Crossback. Atrás, os designers tiraram partido de toda a largura do sedan executivo, realçando-a com novo cromado – agora na horizontal – a unir os farolins. É com este conjunto, num misto de desportivo com ares de executivo, que a DS quer fazer frente a modelos como o Jaguar XF, o Volvo S60 e os alemães A4, Classe C e Série 3, isto apesar de todos eles serem mais acanhados em comprimento do que os 4,93 m do DS 9.

O novo topo de gama da DS assenta na arquitectura modular EMP2 do Grupo PSA, a mesma que serve o Peugeot 508, por exemplo, em relação ao qual o DS 9 é 18 cm mais comprido, uma vez que se baseia na versão chinesa do Peugeot, substancialmente maior. A generosa dimensão posiciona a DS no segmento D premium, o que reforça com os seus 2,9 metros de distância entre eixos, com mais 10 cm do que o 508 à venda na Europa.

48 fotos

No interior, o habitual requinte com que a DS procura afirmar-se entre os construtores de luxo, com um empenho tal para compensar a juventude da marca que, por vezes, se presta a alguns exageros, mais ou menos virtuosos. Neste caso, o exemplo mais flagrante encontra-se atrás, ou não fosse este um modelo destinado a aliciar executivos. Para viajar em primeira classe, espaço não basta, pelo que a marca introduziu aqui o conceito DS Lounge, sinónimo de bancos aquecidos, refrigerados e com massagem, tal como os da frente, no que consubstancia uma estreia na classe. O apoio de braço central é revestido a couro e os espaços de arrumação possuem fichas USB integradas. Detalhes a que se juntam outros pormenores de luxo, como é o caso dos puxadores das portas que são manualmente revestidos em couro para garantir um toque agradável (ou o superlativo deste). Como é prática habitual na marca, a personalização do habitáculo pode fazer-se através da escolha de um ambiente para o interior, optando por uma de quatro alternativas “DS Inspirations” (Bastille, Rivoli, Ópera e Performance Line).

Tratando-se de uma proposta que visa os mais exigentes clientes, o novo DS 9 integra um lote considerável de tecnologias para maximizar o conforto e a segurança de quem vai a bordo. Para o primeiro intento concorre, por exemplo, o sistema DS Active Scan Suspension – basicamente uma suspensão que antecipa a melhor forma de digerir o piso que o veículo tem pela frente, convertendo-o num tapete liso por mais degradado que esteja. Para tal, o DS 9 recorre a uma câmara (para leitura da estrada), sensores de nível, acelerómetros e sensores do grupo propulsor para preparar o amortecimento de cada roda em função das condições da estrada.

20 fotos

No domínio da segurança, também não lhe faltam argumentos, com soluções muito similares às que já conhecemos do DS 7 Crossbak. Não só os faróis de LED adaptam o alcance e a intensidade do feixe, dependendo das condições do tráfego e da velocidade a que o DS circula, como o 9 está equipado com uma câmara de infravermelhos na grelha frontal que detecta peões, ciclistas e animais na estrada, até 100 metros à frente da viatura e alerta o condutor para tal. Este também é constantemente escrutinado, pois o sistema Driver Attention Monitoring monitoriza continuamente os olhos do condutor em busca de sinais de fadiga. Há, ainda, outras funcionalidades mais viradas para  a assistência à condução, nomeadamente o Park Pilot, que prescinde do condutor para estacionar automaticamente, em paralelo ou em espinha, e o Drive Assist, um nível 2 de condução autónoma activável a partir dos 30 km/h e operacional até aos  180 km/h. Uma vez accionado, o 9 consegue manter-se ao centro da sua faixa de rodagem e adaptar a velocidade em relação à do veículo que segue à sua frente.

No domínio das motorizações, não há novidades. Ou, melhor, a novidade passa pelo facto de a DS optar logo no arranque por um conjunto híbrido plug-in (PHEV) que debita uma potência combinada de 225 cv, conjugando um motor a gasolina de 1,6 litros turbo com 180 cv com um motor eléctrico de 110 cv, alimentado por uma bateria com 11,9 kWh de capacidade. Trata-se, portanto, do mesmo grupo motopropulsor que já se encontra em modelos da Citroën, Opel e Peugeot. Está limitado a 135 km/h de velocidade máxima quando a circular em modo eléctrico, sendo que a autonomia (zero emissões) homologada em WLTP situa-se entre os 40 e os 50 km.

Lá mais para a frente, em data ainda por determinar, a oferta será enriquecida com mais dois PHEV, um com 250 cv, tracção dianteira e maior autonomia (disponível na China logo desde o lançamento), e um segundo com 360 cv e tracção integral. A completar, uma opção exclusivamente a gasolina, recorrendo ao PureTech de 225 cv da PSA. Em qualquer dos casos, a transmissão é sempre a EAT8, uma caixa automática de oito relações.