Um movimento cívico de Viana do Castelo saudou, esta quinta-feira, os descontos nas portagens anunciado pelo Governo para sete autoestradas, esperando que “seja o início de um processo contínuo até à reposição da gratuitidade na Autoestrada 28 (A28).

Para o movimento “Naturalmente Não às Portagens na A28” os descontos anunciados pelo Governo permitirão “a mitigação dos danos e custos que os utentes, cidadãos anónimos e empresas têm suportado injustamente na A28, por não terem qualquer via alternativa”.

Em comunicado, o movimento cívico sustenta não existir “qualquer alternativa” à autoestrada que liga Viana do Castelo, capital do Alto Minho, à cidade do Porto. “A Estrada Nacional (EN) 13 não é de todo uma alternativa”, reforça o movimento, adiantando que apesar “de o distrito de Viana do Castelo ser um distrito litoral, apresenta índices de desenvolvimento comparáveis com os de distritos do interior”.

Segundo o movimento “Naturalmente Não às Portagens na A28″ a aplicação de portagens naquela antiga via Sem Custos para o Utilizador (SCUT)”tem castigado e prejudicado este território de Viana do Castelo e todo o Alto Minho”.

“Foram inúmeros os problemas e constrangimentos criados com a implementação desta medida, em 2010, e que constituíram um forte entrave à competitividade da região e foram ainda um fator prejudicial para as relações transfronteiriças da mesma”, acrescenta a nota.

O movimento adianta que “continuará a manifestar-se contra esta injustiça e ataque aos cidadãos e empresas deste território de Viana do Castelo e Alto Minho, apelando, assim, que considerem a reavaliação do modelo de portagens para introduzir uma maior justiça e coesão territorial e em particular nesta zona fronteiriça com Espanha”.

Na quarta-feira, a ministra da Coesão Territorial anunciou, em Macedo de Cavaleiros, descontos nas portagens de sete autoestradas a partir do terceiro trimestre do ano para os “utilizadores frequentes”. “Vai ser posto em prática no terceiro trimestre deste ano. Estamos a falar de um desconto de quantidade para os veículos classe 1 quer classe 2”, afirmou Ana Abrunhosa, que falava à margem de uma visita no âmbito da iniciativa “Governo mais próximo”, no distrito de Bragança.

Ana Abrunhosa explicou que se trata de “um desconto de quantidades”, exemplificando que a “partir do oitavo dia até ao 15.º dia haverá um desconto de 20% e a partir do 16.º dia até ao final do mês será um desconto de 40%”.

Nas autoestradas A4, A24, A28, A25, A23, A13 e A22, antigas SCUT, já eram aplicados descontos e estes foram, segundo a ministra, “harmonizados e aumentados”.

Relativamente ao transporte de mercadorias, os descontos vão ser aumentados dos 30% para os 35% de dia e de 50% para 55% à noite.

A ministra anunciou ainda um desconto para os transportes de passageiros, que até agora não existiam e que passam a ser iguais às percentagens dos transportes de mercadorias.